0

Rivalidade recente turbina Botafogo x Atlético-MG

5 jul 2009
10h26

Erro marcante de arbitragem, tabu, trocas de farpas, eliminações traumáticas e treinador sendo derrubado. Esses foram apenas alguns dos ingredientes que fizeram com que, nos últimos dois anos, Botafogo e Atlético-MG se tornassem novos rivais. Neste domingo, ambos se encontram no Mineirão, às 16h (de Brasília), para escrever um novo capítulo desta história.

» Tardelli espera ajudar Atlético-MG a afundar outro rival
» Categorias de base do Vasco reclamam de alimentação
» Artilheiro é vetado e desfalca Botafogo
» De volta ao Mineirão, Renato espera mudar sorte do Botafogo

Curiosamente, as duas equipes se encontram em posições completamente opostas na tabela do Campeonato Brasileiro. Enquanto o Atlético-MG lidera o torneio de forma surpreendente, o Botafogo, vice-campeão carioca, é o lanterna.

A história de rivalidade recente começou em 2007, nas quartas de final da Copa do Brasil. Depois de um empate sem gols no Mineirão, o Botafogo saiu perdendo no Maracanã, mas conseguiu a virada por 2 a 1 após o intervalo. Aos 47min, um pênalti claro em Tchô não foi marcado por Carlos Eugênio Símon para o Atlético-MG, causando uma revolta generalizada. "Fomos roubados!", chegou a protestar o zagueiro Marcos. Posteriormente, o próprio Símon admitiu o erro.

Poucos dias depois, os dois clubes se encontram pela 2ª rodada do Campeonato Brasileiro e o Botafogo seguiu feliz, vencendo pelo mesmo 2 a 1 no Maracanã. E no returno, para desespero atleticano, outra vitória do time então comandado por Cuca. O placar? 2 a 1, de virada.

Em 2008, vários duelos rechearam a rivalidade, que foi reativada com novo encontro na Copa do Brasil, nas mesmas quartas de final. O cenário ainda seguiu ruim para os atleticanos, que acabaram eliminados com empate sem gols no Mineirão e derrota por 2 a 0 no Rio de Janeiro. Geninho já era pressionado no comando do clube mineiro e 15 dias antes havia sido goleado por 5 a 0 pelo Cruzeiro e pediu demissão.

Já sob o comando de Gallo, a vida do Atlético-MG seguiu um tormento diante do Botafogo. Na 14ª rodada do Brasileiro, os cariocas golearam por 4 a 0. Marcelo Oliveira agora era o treinador e os botafoguenses seguiram impossíveis na Copa Sul-Americana: 3 a 1 no Mineirão, 5 a 2 no Engenhão.

A vida ruim do Atlético-MG teve fim na 33ª rodada do Brasileiro. Finalmente, superou o Botafogo por 2 a 1, dois gols de Leandro Almeida, selando um martírio para os mineiros.

Geninho foi um dos que sentiram na pele a rivalidade entre os dois clubes
Geninho foi um dos que sentiram na pele a rivalidade entre os dois clubes
Foto: Agência Lance
Fonte: Terra
publicidade