0

Quinto na maratona, Marílson diz: "acreditei até o fim na medalha"

12 ago 2012
10h51
atualizado às 11h35

Quarto colocado por boa parte da maratona dos Jogos Olímpicos de Londres, Marílson Gomes dos Santos foi ultrapassado no fim e terminou a prova deste domingo no quinto lugar. Extenuado ao final da corrida, o brasileiro disse "ter feito o máximo que pôde" e ressaltou ter acreditado até o fim na conquista de uma medalha.

» Escolha o esporte e assista aos vídeos da Olimpíada de Londres
» Saiba tudo sobre os medalhistas do Brasil em Londres
» Veja como foram as conquistas dos brasileiros
» Veja mapa e conheça tudo sobre o Parque Olímpico de Londres
» Confira a programação de ao vivo do Terra
» Veja a agenda e resultados dos Jogos de Londres

"Perdi uma colocação na chegada, mas maratona olímpica é isso. Tentei, corri por medalha, fui até onde pude, dei meu máximo, fiz o máximo que pude mesmo, cheguei estafado. Em nenhuma maratona da minha vida eu cheguei desse jeito. Mas você tem que acreditar até o final. Mesmo eu sentindo a última volta foi muito difícil, sofri a última volta toda, mas tentei não me abater", declarou.

A maratona representou a última possibilidade de o Brasil conquistar uma medalha no atletismo em Londres. Embora esta seja a primeira Olimpíada desde Barcelona 1992 na qual o País se despediu sem subir ao pódio na modalidade, Marílson minimizou a queda no retrospecto.

"Atletismo é assim mesmo, do mesmo jeito que a gente saiu sem medalha e as coisas não deram certo nesta Olimpíada, mas deram certo em outras. E agora é rever o que deu errado, e tentar reverter isso pra próxima Olimpíada no Brasil", disse.

Marílson também ressaltou a supremacia africana, que colocou três atletas no pódio da maratona: o ugandense Stephen Kiprotich conquistou a medalha de ouro, seguido pelos quenianos Abel Kirui e Wilson Kipsang. "Os africanos tem dominado não só as provas olímpicas, mas a maioria das provas do mundo", relatou.

Por fim, o atleta disse não ter visto o padre irlandês Cornelius Horan, que atrapalhou a maratona do brasileiro Vanderlei Cordeiro da Silva em Atenas 2004 e neste domingo levou uma faixa de apoio a Marílson em Londres.

"O atleta fica tão centrado e eu particularmente estava tão centrado na prova que não vi nada. Eu só vi muitas bandeiras do Brasil, e agradeço a força de todos os brasileiros. Valeu, muito obrigado pela força durante todo o percurso", finalizou.

Brasileiro disse que nunca esteve tão cansado ao final de uma prova como ficou após a maratona em Londres
Brasileiro disse que nunca esteve tão cansado ao final de uma prova como ficou após a maratona em Londres
Foto: AFP
Fonte: Terra
publicidade