Fórmula 1

publicidade
09 de dezembro de 2012 • 14h24

De olho em Force India e Caterham, B. Senna admite plano B no DTM

Piloto jogou tênis com Bellucci no Ibirapuera
Foto: Bruno Santos / Terra
 
Henrique Moretti
Direto de São Paulo

Enquanto negocia tendo como prioridade a permanência na Fórmula 1 para 2013, Bruno Senna admite trabalhar com um plano B. Uma opção do brasileiro caso não consiga seguir no grid no ano que vem passa pelo DTM (Campeonato Alemão de Turismo). O piloto testou um modelo da Mercedes da categoria no Circuito de Estoril, em Portugal, no início de dezembro.

» De "reta curva" a sabão no banheiro; veja gafes de Galvão na F1

"Difícil dizer o que é melhor, mas obviamente a gente tem que aumentar as possibilidades. Se as coisas derem errado na Fórmula 1 tem que ter outras oportunidades fora, e acho que a gente tem de sempre manter as portas abertas", disse Bruno Senna neste domingo, quando bateu bola com os tenistas Thomaz Bellucci e Tommy Haas no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

Em 2009, antes de acertar com a Hispania para 2010, Bruno Senna já havia testado um DTM para a Mercedes, mas na época decidiu não tirar o foco dos monopostos. Essa pode ser a alternativa caso o piloto não assine um contrato na F1. Questionado se as maiores chances de se manter no grid passam por Force India e Caterham, o piloto afirmou: "são as equipes que têm assento disponível".

A Force India, que estreou na categoria em 2008, foi a sétima colocada do último Mundial de Construtores, com 109 pontos. A escuderia perdeu o alemão Nico Hulkenberg para a Sauber e tem duas vagas em aberto, mas deve manter o britânico Paul di Resta. Já a Caterham, que iniciou sua trajetória no campeonato como Lotus Racing em 2010, jamais pontuou desde então; o time contratou Charles Pic, ex-Marussia, para o ano que vem e ainda não divulgou o companheiro de equipe do francês.

"Tem que entender qual é situação da equipe, assim como a Williams estava péssima ano passado e melhorou muito este ano. A gente fez uma aposta que realmente valeu a pena, tem que sempre tentar entender o potencial e as variáveis", afirmou o sobrinho de Ayrton Senna. A equipe britânica somou cinco pontos no Mundial de 2011 e subiu para 76 em 2012, conquistando inclusive a primeira vitória desde 2004, com o venezuelano Pastor Maldonado no Grande Prêmio da Espanha.

Embora não descarte o DTM, um dos principais campeonatos de turismo do mundo, a prioridade de Bruno Senna é seguir na F1. "A gente tem ótimos patrocinadores, parceiros que sempre ajudam. Se Deus quiser a gente consegue um assento competitivo para o ano que vem", disse o piloto, 29 anos.

Terra Terra