1 evento ao vivo

Italianos dizem que "tentação Raikkonen" adia renovação de Massa

30 set 2012
09h57
atualizado às 12h55

Se a Ferrari ainda não renovou o contrato de Felipe Massa é por causa de uma "tentação" chamada Kimi Raikkonen. Pelo menos é isso o que publica neste domingo o site do jornal generalista italiano La Stampa. Segundo o veículo, a escuderia italiana adia a definição do futuro do brasileiro enquanto avalia uma possível volta do finlandês, atualmente na Lotus.

» De demissão a surras de Alonso, veja os 10 piores momentos de Massa

De acordo com o jornal, "em Maranello estão analisando a hipótese de um retorno (de Raikkonen) que seria retumbante e resolveria um problema fundamental do último triênio: fazer mais pontos". Nas palavras do diário, "Massa contribuiu bem pouco à classificação" do Mundial de Construtores de 2012 "à parte" os Grandes Prêmios da Itália, no qual o brasileiro terminou no quarto lugar, e de Cingapura (oitavo).

O periódico destaca que, embora o espanhol Fernando Alonso lidere o Mundial de Pilotos com 194 pontos, 29 de vantagem para o segundo colocado, o alemão Sebastian Vettel, a Ferrari "é apenas" a terceira entre os construtores - são 245 pontos, contra 297 da líder, a Red Bull.

"A classificação das equipes, mesmo acendendo menos a fantasia dos fãs, interessa muito a Maranello por motivos muito válidos: o prestígio que se transfere aos carros de rua e o dinheiro, porque os prêmios são distribuídos obviamente baseando-se na pontuação final, e entre uma posição e outra variam alguns milhões de euros", completa o jornal.

Em agosto, a revista italiana Autosprint já havia tocado no mesmo assunto, informando que a renovação de Massa estava pendente de um "enigma de 20 milhões de euros (R$ 52,1 milhões)". O valor, segundo a publicação, representava a diferença entre o valor ganho pelo campeão mundial de construtores e pelo dono do quarto posto - na ocasião, a Ferrari ocupava essa posição, atrás ainda da Lotus e da McLaren.

Na mesma Lotus Raikkonen "está fazendo muito bem" neste ano, na avaliação do diário La Stampa, que lembra que ele é o terceiro colocado do Mundial de Pilotos, com 149 pontos, ainda que tenha passado as duas últimas temporadas competindo no Campeonato Mundial de Rali (WRC).

Antes, entre 2007 e 2009, o finlandês defendia a própria Ferrari, pela qual foi dispensado um ano antes do encerramento de seu vínculo "para fazer espaço a Alonso", ex-Renault, conforme ressalta o diário.

Apesar disso, segundo o jornal "Kimi nunca teve palavras de ressalva ou rancor nem em Maranello nunca criticaram" Raikkonen, responsável pelo último título de pilotos da equipe, em 2007. "Não é o tipo de pessoa que desperdice palavras a discutir sobre a técnica com os engenheiros nem que sorri sob comando durante os eventos organizados pelos patrocinadores, porém tem a velocidade no sangue e conhece a dinâmica do vestiário", afirma o jornal, sobre Raikkonen, lembrando que nas últimas provas de 2008 ele aceitou ajudar Massa, que disputava o título e o perderia para o britânico Lewis Hamilton.

"Apenas Massa pode convencer a Ferrari a desistir do finlandês e não procurar outros opções (tipo Nico Hulkenberg ou Paul Di Resta da Force India): no próximo domingo, no (GP do) Japão, estará em jogo um bom pedaço de sua carreira", conclui o jornal, em referência ao brasileiro, cujo vínculo com o time italiano expira em 2012. Raikkonen tem contrato com a Lotus para 2013, assim como Hulkenberg e Di Resta possuem acordo com a Force India para mais uma temporada.

Atualmente na Lotus, Kimi Raikkonen foi campeão mundial pela Ferrari em 2007
Atualmente na Lotus, Kimi Raikkonen foi campeão mundial pela Ferrari em 2007
Foto: Getty Images
Fonte: Terra
publicidade