1 evento ao vivo

Técnico festeja Érika, mas aponta erros: "ainda dá para crescer"

8 jul 2012
14h35
atualizado às 15h51
Henrique Moretti
Direto de Foz do Iguaçu*

A Seleção Brasileira evoluiu bastante desde o início da preparação para a Olimpíada de Londres, mas ainda tem bastante a crescer até a estreia, em 28 de julho, contra a França. Técnico da equipe, Luiz Cláudio Tarallo fez uma análise do trabalho desenvolvido até aqui neste domingo, após a vitória por 91 a 61 sobre Cuba, em Foz do Iguaçu.

» Brigas e dramas: relembre grandes momentos olímpicos
» Phelps ou Neymar? Vote em quem brilhará mais nos Jogos de Londres

"As meninas obviamente evoluíram no sistema de jogo, no contra-ataque, na defesa, embora não esteja ainda no ponto ideal", disse Tarallo. Neste domingo, o treinador destacou erros especialmente no segundo quarto, que terminou com vantagem de apenas dois pontos em favor do Brasil: 18 a 16. Ambas as seleções deixaram o Ginásio Costa Cavalcanti com 22 turnovers cada.

"Nossa equipe começou a cometer alguns erros porque Cuba veio diferente, um pouco mais agressiva, e nossa defesa não estava como eu queria: com pegada, provocando o erro do adversário", afirmou o treinador, que no intervalo procurou "pedir mais concentração, determinação defensiva e agressividade". As atletas "corresponderam", ainda segundo as palavras de Tarallo, dominando o segundo tempo com vantagem de 56 a 36.

Entre as destaques da partida esteve a pivô Érika, que aproveitou a pouca altura das cubanas para conseguir 17 rebotes, sendo 12 defensivos, e três tocos. "Sem dúvida é uma jogadora importante para o nosso esquema", afirmou Tarallo. "Ela realmente tem que se sair bem nesses jogos quando não tem grandes pivôs, mas é experiente, joga internacionalmente há muito tempo, sabe que terá pivôs grandes e fortes para marcá-la, mas está treinando forte e tem potencial para se destacar também nos Jogos (Olímpicos)".

Érika, 30 anos, atua atualmente no Atlanta Dream, dos Estados Unidos, e no Perfumerias Avenida, da Espanha, participando de meia-temporada em cada país por causa do calendário. Contra Cuba, ela foi a vice-cestinha verde e amarela, atrás dos 25 pontos de Iziane: marcou 17 pontos, com oito acertos em nove tentativas para dois. Em Londres, a pivô disputará a segunda Olimpíada, após competir em Atenas 2004 e ficar fora de Pequim 2008 devido a uma lesão.

Depois de bater Cuba, a Seleção tem folga até 11 de junho, quando se reúne em Jundiaí e treina para disputar amistoso contra os EUA em Washington, no próximo dia 16. A semana será importante pois será a última de trabalho "mais forte", conforme adiantou Tarallo, visto que depois o grupo viaja à Europa e passa a "administrar a distruibuição de carga para não chegar desgastada" a Londres. Entre 20 e 22 de julho ainda está prevista a disputa em um torneio amistoso em Lille, encarando França, Austrália e China - as duas primeiras integram o Grupo B da Olimpíada junto a Brasil, Reino Unido, Rússia e Canadá.

"Iniciamos um trabalho nesta semana físico com potência", disse o treinador, falando sobre os treinamentos realizados em Foz, onde Cuba já havia sido batida por 99 a 60 na última sexta-feira. "Com isso a menina se solta, fica com um jogo mais forte, a defesa fica mais agressiva. Então acredito que com certeza principalmente com esses jogos dá para crescer".

* O repórter viajou a convite da Confederação Brasileira de Basquete (CBB)

Londres 2012 no Terra

O Terra, maior empresa de internet da América Latina, transmitirá ao vivo e em alta definição (HD) todas as modalidades dos Jogos Olímpicos de Londres, que serão realizados entre os dias 27 de julho e 12 de agosto de 2012. Com reportagens especiais e acompanhamento do dia a dia dos atletas, a cobertura contará com textos, vídeos, fotos, debates, participação do internauta e repercussão nas redes sociais.



Pivô foi responsável por 17 pontos e 17 rebotes na vitória tranquila contra Cuba
Pivô foi responsável por 17 pontos e 17 rebotes na vitória tranquila contra Cuba
Foto: Antonio Lopes / Divulgação
Fonte: Terra
publicidade