inclusão de arquivo javascript

GEUVÂNIO, O SOFRIDO, A MAIS NOVA JOIA DO SANTOS | Blog do Sormani
GEUVÂNIO, O SOFRIDO, A MAIS NOVA JOIA DO SANTOS | Blog do Sormani

Blog do Sormani

GEUVÂNIO, O SOFRIDO, A MAIS NOVA JOIA DO SANTOS

0 Comentário

Neymar está no Barcelona. Gabriel, o Gabigol, está na mira do time catalão, bem como o também atacante Giva. De olho no dinheiro, Neílton pode trocar a Vila Belmiro pelo Parque São Jorge em maio próximo. Diego Cardoso e Stéfano Yuri brilharam na Copinha e já se ajeitaram entre os profissionais.

Tudo muito rápido, obedecendo o velho manual escrito na Vila Belmiro para suas estrelas que saem da base.

Mas a mais nova joia santista teve uma história muito diferente. Geuvânio, o novo camisa 10 do Santos, suou muito para chegar onde chegou.

E onde ele chegou? Para muitos — inclusive eu — ele é o melhor atacante desse time que lidera no geral o Campeonato Paulista. Foi dele os dois gols da vitória santista diante do Comercial (2-0), na noite desta terça-feira, na Vila Belmiro.

Agora são três. Esta, aliás, é sua maior deficiência: para um atacante habilidoso, rápido, de boa visão de jogo e inteligente, ele precisa fazer mais gols. Não precisa repetir Neymar, porque isso é praticamente impossível, mas precisa fazer mais gols. Precisa, portanto, treinar mais finalização.

Mas Geuvânio, eu dizia, demorou para encontrar o velho manual que poucos têm a oportunidade de ler para tentar brilhar no time de cima.

Sua primeira oportunidade foi com Adílson Batista em 2011, mas não passou disso. Muricy Ramalho deu-lhe míseras chances. E Claudinei Oliveira, que foi seu treinador na base, depois de utilizar um sem número de jogadores e insistir com os limitadíssimos Éwerton Costa e William José, colocou-o em campo no final do Brasileiro passado, diante do Cruzeiro.

E Geuvânio não saiu mais do time. Firma-se a cada jogo que passa.

Agora, sob as luzes dos holofotes e o olhar de admiração de adversários e torcedores, Geuvânio poderia se deslumbrar. Mas não se deslumbra.

Jogar num time grande da Europa? Ele diz não pensar nisso.  “Não quero ser apenas um dos milhares que passaram pelo Santos”, disse, no final do ano passado, ao site Lancenet.

Ganhar milhões de euros no Velho Continente? Não está nos seus planos imediatos. “Se fizer um bom contrato aqui, não tenho por que sair”, disse igualmente ao Lancenet.

Ir para um dos times famosos da Europa e “evoluir taticamente”? Não passa por sua cabeça. “Gosto do feijão com arroz”, afirmou também ao Lancenet.

Humilde, assim é Geuvânio.

É avesso às badalações, não se veste com estardalhaço, não é vaidoso e não cultua a própria imagem. É muito provável que não tenha espelhos em casa.

Carro? Comprou um no ano passado. Até isso acontecer, andava a pé, de ônibus ou aproveitava-se de caronas dos companheiros.

Seu objetivo era comprar uma casa para os pais. Conseguiu — mas não pagou a vista, ao contrário do que alguns possam imaginar. Deu entrada e está quitando prestações mensalmente — como a esmagadora maioria dos brasileiros.

Geuvânio sabe o que é dificuldade. Como disse acima, seu histórico é muito diferente dos outros moleques da base citados no texto.

Começou no Jabaquara, descoberto por Manoel Maria, ex-ponta-direita do Santos de Pelé. Em 2009 foi para a Vila Belmiro emprestado por um ano. Renovou por mais um. Em 2011 voltou para o Jabuca, para ser contratado definitivamente pelo Santos no meio daquele ano, para assinar contrato até o final de 2015 (ganha RS 20 mil por mês), tudo por interferência do ex-presidente Luís Álvaro Oliveira Ribeiro, o Laor, que antecipou-se a uma investida da Acadêmica de Coimbra (Portugal).

Penou, como se vê.

Não, não é um final de texto moralista, mas espero que Geuvânio jamais se esqueça de suas origens e de suas dificuldades para subir na vida.

Se cada vez que ele entrar em campo para treinar e jogar, se quando isso acontecer tudo o que ele passou estiver grudado em sua retina, ele irá longe. Caso contrário, vai ser apenas um dos milhares que passaram pelo Santos.

* A foto acima de Geuvânio é da Agência Lance.
 

Fábio Sormani Fábio Sormani

Fábio Sormani

Fábio Sormani trabalhou na Placar, Folha de S.Paulo, TVs Record, Bandeirantes, ESPN Brasil, SporTV, BandSports, e rádios Bandeirantes e Jovem Pan. Atualmente trabalha para a Fox Sports Brasil.



compartilhe e assine o blog




Sorry, your browser does not handle frames!<a href="http://www.terra.com.br/"> terra </a>

 
 
Leia também X CBF: ENTIDADE CHUPACABRA, PARASITA E SANGUESSUGA