0

"Marqueteiro" e pouco modesto, Túlio quer gol 1000 antes da Copa

2 fev 2014
08h26
atualizado às 14h50
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Túlio Maravilha não precisa de modéstia. E por que precisaria? O atacante está a apenas um gol de encerrar a arrastada busca pelo milésimo – sempre de acordo com as contas do próprio jogador. Aos 44 anos, já com cabelos brancos, bem longe da forma física dos tempos áureos e ridicularizado por alguns, o ídolo de Botafogo e Goiás ainda encontra clubes “pequenos” que topam virar aliados do jogador na saga - o último foi o Araxá-MG, com quem o jogador acertou na última sexta-feira por cinco partidas. O motivo? O atleta alega - em terceira pessoa, como Pelé - que o “retorno é garantido”.

<p>Túlio diz estar com 999 gols na carreira e quer fazer milésimo antes da Copa</p>
Túlio diz estar com 999 gols na carreira e quer fazer milésimo antes da Copa
Foto: Getty Images

“Eles sabem que estão contratando um marqueteiro”, admitiu Túlio Maravilha ao Terra sobre o eterno interesse de clubes pequenos em seu futebol. “Os clubes pequenos se fascinam porque sabem que o retorno é garantido”, adicionou o craque, que se aproxima de finalmente finalizar a saga que marcou sua carreira nos últimos anos – a intenção é marcar o milésimo antes da Copa do Mundo de 2014.

Algumas contas básicas apontam que Túlio passou por ao menos 16 equipes desde 2010, dos mais diferentes cantos do Brasil. O último time do atleta foi o Vilavelhense, do Espírito Santo. O atacante demorou a encontrar um clube para 2014 - estava desempregado desde agosto de 2013 -, mas diz que interessados não faltaram – interior paulista, Minas Gerais, Norte e Nordeste, de acordo com o jogador, que afirmou que todas eram “propostas interessantes”. Loucos ou não, dirigentes das equipes que buscam Túlio tentam justificar as propostas.

Pelé provoca Túlio sobre mil gols: "os meus estão registrados"

Um dos clubes do interior paulista que estava interessado no jogador era o Independente, equipe de 70 anos da cidade de Limeira e que disputa a terceira divisão do Campeonato Paulista. Ao Terra, o presidente da equipe, Lucas Moraes, admitiu, antes de se decepcionar com o acerto com o Araxá-MG, que a ideia da diretoria era em busca de uma “jogada de marketing”, mas que o interesse era por alguém que ao mesmo tempo resolvesse dentro de campo.

Túlio Maravilha faz o gol "999" e mantém sonho

Túlio já sabe que seu sonho inicial do gol 1000 não poderá ser realizado – com a camisa do Botafogo, no Engenhão ou no Maracanã. Sabe também que, aí sim com uma humildade digna de grandes jogadores, não pode mais exigir muita coisa e não se importa se o gol for em um estádio acanhado do interior brasileiro. “Eu não vou jogar para sempre, estou com quase 45 anos. Agora não tem como me importar mais”.

O atacante também releva as críticas oriundas de quem ridiculariza sua busca pelo gol histórico. “Nem Jesus Cristo agradou a todos”, disparou. No Brasil, poucos atletas ultrapassaram a barreira do milésimo tento: Romário, com 1.002, e Pelé, com 1.283, são os mais lembrados – há ainda a polêmica em torno do lendário Arthur Friedenreich.  Como o próprio Túlio, sem falsa modéstia, define, “é uma saga que não é para poucos”.

Veja a entrevista completa do Terra com Túlio:

Terra: Aos 44 anos, já com cabelo branco, por que você acredita que ainda atrai tanto o fascínio dos times chamados "pequenos"?
Túlio: O motivo é visibilidade, onde quer que o Túlio vá as equipes têm a chance de aparecer na mídia nacional e internacional. Valoriza mais a equipe, o patrocinador que está patrocinando, investindo, tudo isso engloba e fascina os clubes pequenos porque sabem que o retorno é garantido. Há muita mídia espontânea, TV, internet e etc.

<p>Sonho de Túlio era fazer gol 1000 pelo Botafogo</p>
Sonho de Túlio era fazer gol 1000 pelo Botafogo
Foto: Facebook / Reprodução
Terra:  O presidente do Independente, clube do interior de São Paulo disse que sua contratação seria uma "jogada de marketing", mas que queria que você fosse para jogar e ajudar o time no acesso. Você acha que ainda consegue corresponder neste dois lados?
Túlio: Consigo, dentro das minhas possibilidades a gente consegue. Não vou ser aquele Túlio de 20 anos atrás, com prepara físico exuberante, mas faro de gols a gente não perde. Minha especialidade sempre foi a grande área, se a bola vir com qualidade eu faço gols, sempre foi assim na minha carreira. Eles sabem que estão contratando um marqueteiro, que vai atrair torcida e chamar a imprensa, mas têm que colocar jogadores do meu lado

Terra: O próximo clube que você fosse escolher seria provavelmente o time do milésimo. Houve alguma exigência especial por isso?
Túlio: Não, eu só quero fazer esse gol 1000 em grande estilo e que eles possam oferecer um mínimo de estrutura. Onde quer que fosse não iria faltar profissionalismo da minha parte e nem vontade. O desejo é fazer esse gol o mais rápido possível, antes da Copa do Mundo. A intenção é essa, porque depois só se respira Copa do Mundo.

Terra: Como tem sido a preparação desde que deixou o Vilavelhense?
Túlio: Tenho treinado diariamente, academia, correndo de 5 a 10 km, com reforço muscular. Estou fazendo uma preparação física muito boa dentro da minha capacidade. A capacidade técnica em uma semana a gente consegue. Chegaria pra jogar, a gente não perde tempo. Nunca tive lesão grave, então sempre que for contratado se tiver um jogo amanhã estou pronto.

Terra: Nessa busca pelos 1000 gols você passou por muita coisa, como entrevero com o Botafogo, polêmica com trote. Você mudaria algo nessa caminhada?
Túlio: A única coisa de arrependimento é ter saído do Botafogo em 1997. Em 1997 troquei o Botafogo pelo Corinthians, mas devia ter ficado mais tempo lá no clube, ter ganho mais títulos, talvez ter ido para a Copa do Mundo, me tornado o maior artilheiro da equipe. Esse é o grande arrependimento da minha vida. Seriam só três equipes na minha carreira: o Goiás, o Sion, que foi uma ponte, uma experiência na Europa, e o retorno ao Botafogo. Era onde eu queria encerrar a carreira.

Terra: Como ficou a história com o Botafogo? Não há mais chances de fazer o milésimo lá?
Túlio: Acho que a princípio não vai dar para fazer o milésimo no Botafogo. Era para ter sido lá dois anos atrás e depois neste ano também havia a possibilidade, já que esta disputando duas competições (Libertadores e Carioca). Era pra jogar o Estadual, mas, enfim, é uma pena que não foi com a camisa do Botafogo.

Terra: Você imaginava que teria tanto trabalho para chegar aos 1000 gols? Não achou que seria mais rápido?
Túlio:  Eu imaginei que não seria fácil. Fazer gols é difícil, imagina mil. Realmente é uma saga que não é para poucos, tanto só que Pelé, Romário, Friedenreich do século passado. Não é para qualquer um, mas isso prova minha persistência, perseverança, dedicação. E quando você tem sonhos, você busca.

Terra: Quando você iniciou esse projeto para chegar ao milésimo, como sonhava com esse gol? Em um Maracanã ou Serra Dourada, onde você tem grande história, lotados?
Túlio:  O objetivo era fazer no Botafogo, clube de coração. Ou no Engenhão ou no Maracanã, campos que o Botafogo usa. O ideal seria nesses palcos, com a camisa do Botafogo. Isso não foi possível, vida que segue e feliz daquele que me contratar porque ficará eternizado como o time do milésimo gol do Túlio.

Terra: Não fica triste pelo gol agora sair em talvez um estádio acanhado, com pouca estrutura?
Túlio: Agora não tem como me importar mais, estamos correndo contra o tempo. Eu não vou jogar para sempre, tenho quase 45 anos. Os campeonatos regionais vão até abril. Tenho 4 ou 5 meses pra fazer esse milésimo antes da Copa do Mundo.

Terra: Fora do campo, sempre se especulou que você teria sido convidado para reality shows, como ‘A Fazenda’. É algo que você pensa para depois que acabar a corrida pelo milésimo gol?
Túlio:  O meu objetivo depois da aposentadoria é ser comentarista, esse era meu grande sonho. São 26 anos de carreira e quero encerrar a carreira e ser comentarista. Tem alguns contatos no meio, tanto rádio quanto televisão. A principio estamos dando prioridade ao milésimo, mas de repente a gente já estreia como comentarista na Copa, no Brasil.

Terra: Você sempre foi considerado um artilheiro por onde passou, mas caiu em descrédito com algumas torcidas com tantos times nessa busca pelo milésimo. Depois que você acabar com essa pendência e encerrar a carreira, como acha que será lembrado?
Túlio: Olha, nem Jesus Cristo agradou, quem sou eu para agradar todo mundo? Todo mundo tem suas preferencias, seus ídolos, o importante é que estou confiante no meu trabalho, com o milésimo gol vão me lembrar como um dos maiores artilheiros do futebol mundial, os números falam por si. Se as pessoas falam bem ou mal, não interessa. Os números não mentem.  Foram inúmeros campeonatos, tanta competição que eu joguei. Esse é o legado que eu vou deixar, vou ser um dos dez maiores artilheiros do mundo. É assim que serei lembrado.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade