1 evento ao vivo

Brasil enfrenta Espanha por semifinal do Mundial e história

14 dez 2011
07h44
Felipe Held
Direto de São Paulo

A Seleção Brasileira tem nesta quarta-feira seu maior desafio até agora no Campeonato Mundial feminino de handebol. Sensação do torneio, realizado em São Paulo, e invicta em seis jogos realizados, a equipe verde-amarela entra em quadra no Ginásio do Ibirapuera às 20h (de Brasília) para a disputa das quartas de final contra a Espanha e para conseguir um feito inédito em um torneio neste nível: uma vaga nas semis e a consequente briga por um impensável pódio - algo que parecia muito distante até bem pouco tempo atrás.

» Cheerleaders dão show e animam Mundial de handebol em São Paulo
» Porradas, "mãos-bobas" e mais; veja divididas do Mundial de handebol
» Veja conquistas amorosas dos atletas que podem brilhar em Londres
» Confira os brasileiros que já garantiram vaga nos Jogos de Londres

Fazendo com que o handebol brasileiro viva seu melhor momento na história da modalidade, a Seleção feminina vem encantado no Mundial. Aproveitando o fator de atuar com a torcida a seu favor no Ibirapuera, o time comandado pelo dinamarquês Morten Soubak se classificou na liderança do Grupo C com cinco vitórias nas cinco partidas - uma delas, a mais impressionante, sobre a vice-campeã mundial França.

Nas oitavas de final, a Costa do Marfim foi um adversário tranquilo, e a vaga nas quartas foi ratificada com um triunfo por 35 a 22. O grande desafio, de acordo com a própria Seleção Brasileira, será a vaga na semifinal, contra uma Espanha quarta colocada do Mundial de 2009. "Queremos fazer história neste campeonato e agora tentaremos dar mais um grande passo", afirmou Soubak, comandante da equipe verde-amerela.

O Brasil, que nunca conseguiu ir além de um sétimo lugar em Mundiais (entre homens e mulheres, a melhor posição foi obtida pela equipe feminina há seis anos), tem pela frente, nesta quarta, uma Espanha que ganhou embalo ao despachar Montenegro por 23 a 19, com grande atuação da goleira Silvia Navarro. Para o confronto com as anfitriãs do torneio, porém, o técnico Jorge Dueñas acredita na consistência defensiva e na velocidade de sua equipe.

"A personalidade do meu time é diferente das demais equipes. O nosso temperamento e a nossa velocidade muitas vezes suprem algumas carências do elenco. Não somos um time muito alto, mas nossa velocidade nos ajudou bastante a chegar até aqui", discurreu o comandante espanhol. "O Brasil teve uma performance incrível neste campeonato e se mostrou uma equipe muito forte. Teremos que ser muito bons defensivamente", acrescentou.

De fato, a velocidade espanhola e a goleira Silvia Navarro são as principais preocupações do Brasil para o jogo desta quarta. Apesar de a Seleção ter vencido as europeias por 28 a 24 em um amistoso em novembro, antes do Mundial, Soubak foi extremamente cauteloso ao citar o encontro em São Bernardo do Campo e assegurou que nem levará em conta o que aconteceu no jogo.

"O amistoso para mim não vale nada, se formos analisar o resultado. A Espanha havia acabado de chegar ao Brasil de uma longa viagem, as jogadoras só tiveram uma noite de sono e já foram para quadra", comentou o dinamarquês. "O que eu posso levar em consideração foi o desempenho das minhas jogadoras, mas não o placar final", acrescentou Soubak, citando o retrospecto recente em amistosos contra as espanholas: dois amigáveis em 2009, com uma vitória para cada lado, e um empate no ano passado, definido a favor das europeias nos tiros de 7 m.

Enquanto orienta suas jogadoras para o importante jogo desta quarta, Soubak pede uma ajuda da torcida paulistana - que, até agora, não lotou o Ginásio do Ibirapuera. O treinador, insatisfeito por ver tantos lugares vazios na arena paulistana, disse também contar com a força do público. "Espero que o ginásio lote e leve as meninas para frente e para a semifinal", afirmou.

A torcida verde-amarela, aliás, não é a maior preocupação de Jorge Dueñas. O comandante espanhol, ainda que reconheça o ambiente favorável para as brasileiras, se mostrou preocupado com outro aspecto. "O público não faz gols, então não me preocupa tanto. Meu maior medo é que a arbitragem se deixe influenciar, então espero que haja justiça nas decisões", apontou o europeu.

Quem passar de Brasil e Espanha poderá cruzar nas semifinais contra a atual campeã olímpica: a Noruega. A seleção nórdica entra em quadra também nesta quarta para encarar a Croácia, em partida programada para as 17h15 (de Brasília), também no Ibirapuera.

Handebol brasileiro tenta vaga inédita em uma semifinal de Mundial
Handebol brasileiro tenta vaga inédita em uma semifinal de Mundial
Foto: Edson Lopes Jr. / Terra
Fonte: Terra
publicidade