0

Brasil exalta set vencido contra bicampeã: "melhor jogo da vida"

1 set 2012
08h07
atualizado às 12h31
Danilo Vital
Direto de Londres

A Seleção Brasileira feminina de vôlei sentado entrou em quadra pela primeira vez na história dos Jogos Paralímpicos neste sábado, em Londres, no Excel. O adversário foi simplesmente a China, equipe que conquistou todas as medalhas de ouro disputadas em edições anteriores sem perder nenhuma partida. Por isso, conseguir um set, mesmo com derrota por 3 a 1, ficou de ótimo tamanho para o time.

» Acompanhe o quadro de medalhas dos Jogos Paralímpicos
» De bocha a goalball, conheça os esportes da Paralimpíada
» Confira dez curiosidades sobre a Paralimpíada

"Foi o melhor jogo da nossa vida. Ganhar um set delas para nós é maravilhoso, maravilhoso mesmo. Elas perderam um para a gente e a gente nunca ganhou nada, então é uma honra mesmo", disse Jani Batista, após a partida. As brasileiras conseguiram o triunfo no terceiro set, fazendo 25/20. Antes, perderam por 26/24 e 25/15. Na última parcial, as chinesas garantiram a vitória com 25/16.

Melhor equipe do mundo, a China conquistou seu primeiro ouro em Atenas 2004: em uma campanha de set jogos saiu invicta, com apenas dois sets perdidos. Em Pequim 2008, não deram qualquer chance para os adversários, com cinco vitórias sem nenhuma parcial perdida. Na estreia em Londres, perderam um para os Estados Unidos.

"Eu estou muito contente porque só a gente que trabalha com isso sabe o que representa ganhar esse set e fazer um primeiro set pau a pau. A China era uma equipe contra a qual, até então, a gente não conseguia passar de cinco pontos", exaltou o técnico Alexandre Carvalho de Medeiros, empolgado. "Essa foi a nossa primeira vez, e a maturidade que a gente quer só chega com o tempo", complementou.

Para Nathalie Silva, o bom desempenho apresentado no Excel, centro de convenções que recebe o vôlei sentado, credencia o time para ir para cima dos próximos adversários. A Seleção feminina volta a atuar neste domingo, às 16h de Londres (12h de Brasília), contra a Eslovênia.

"Na verdade foi muito bom, porque você ganha experiência para os próximos jogos. É uma equipe assim, pra você tirar a "nhaca" do primeiro jogo. Então você vai para o segundo jogo, que é a contra a Eslovênia, e vamos para cima delas para ganhar de 3 a 0", disse a atleta, também contente por ter complicado um pouco o caminho das bicampeãs paralímpicas.

Competindo pela classe S10, para nadadores com limitações físico-motoras, o brasileiro André Dias venceu a final dos 50 m livre e quebrou o recorde mundial da prova; ao receber a medalha, o nadador se emocionou e chorou bastante, confira fotos
Competindo pela classe S10, para nadadores com limitações físico-motoras, o brasileiro André Dias venceu a final dos 50 m livre e quebrou o recorde mundial da prova; ao receber a medalha, o nadador se emocionou e chorou bastante, confira fotos
Foto: Fernando Borges / Terra
Fonte: Terra
publicidade