Seleção Brasileira

Seleção Brasileira

publicidade
23 de julho de 2013 • 21h05 • atualizado em 04 de Dezembro de 2013 às 22h00

Djalma Santos, bicampeão mundial com Seleção Brasileira, morre aos 84 anos

Bicampeão mundial com a Seleção Brasileira, o ex-lateral direito Djalma Santos, 84 anos, morreu na noite desta terça-feira, em Uberaba-MG. O ex-jogador estava internado no Hospital Dr. Hélio Angotti e não resistiu a uma parada cardiorrespiratória, causada por decorrência de uma pneumonia grave e instabilidade hemodinâmica.

Djalma Santos foi internado em 30 de junho, momentos depois de a Seleção Brasileira vencer a Espanha por 3 a 0 no Maracanã, conquistando o título da Copa das Confederações. Teve diagnosticada pneumonia, e com a piora acabou internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), na qual ficou até o dia 11.

Ainda internado, voltou à UTI no sábado, após piora de saúde. Passou a apresentar comprometimento de função renal e respirava com ajuda de aparelhos. Djalma Santos não resistiu a mais uma recaída: sofreu parada cardiorrespiratória e morreu aos 84 anos.

O corpo de Djalma Santos será sepultado às 16h, no Cemitério São João Baptista, em Uberaba. O velório acontece no Salão Nobre da Câmara Municipal de Uberaba, após sugestão do presidente do Poder Legislativo, Elmar Humberto Goulart.

Um dos melhores laterais do mundo

Referência na lateral direita para qualquer jogador da posição, Djalma Santos defendeu a Seleção Brasileira em quatro Copas do Mundo (1954, 1958, 1962, 1966). Mas foi no Mundial da Suécia, em 58, que o atleta apareceu para o futebol. Na ocasião, ele foi eleito o melhor da competição na posição, apesar de ter disputado apenas a última partida contra a Suécia. No bicampeonato do Chile, em 1962, o lateral seria titular absoluto do setor.

Djalma Santos participa de cerimônia no Hall da Fama do Maracanã, em 2010
Foto: Getty Images

Paulistano, nascido em 27 de fevereiro 1929, Djalma atuou em apenas três equipes durante a carreira como profissional. Na década de 50, vestiu a camisa da Portuguesa, naquele que se transformaria no melhor time da história do clube. O atleta se transferiu para o Palmeiras em 1959. Na equipe alviverde, onde permaneceria por dez anos, ajudou a derrubar o memorável Santos de Pelé e companhia ao conquistar os Estaduais de 1959, 1963 e 1966 - acumulou 501 jogos, com 299 vitórias, 105 empates e 87 derrotas; foram 12 gols anotados.

A última parada de Djalma Santos foi na cidade de Curitiba, quando jogou pelo Atlético-PR e pôs fim a longa carreira aos 42 anos. Radicado em Uberaba-MG, Dejalma dos Santos, seu nome verdadeiro, monitorou um projeto de esportes da prefeitura da cidade mineira. No ano de 2008, ele e os companheiros de Seleção foram homenageados em função dos 50 anos do título mundial de 1958. 

Colaborou com esta notícia o internauta Paulo Mattar, de Uberaba (MG), que participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

Terra