2 eventos ao vivo

J. César enaltece torcida e cita apagão após 1º gol alemão

8 jul 2014
19h11
atualizado às 19h38
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Goleiro agradeceu apoio vindo das arquibancadas</p>
Goleiro agradeceu apoio vindo das arquibancadas
Foto: Marcos Brindicci / Reuters

Tentando "explicar o inexplicável", o experiente goleiro Júlio César foi o encarregado dar a primeira entrevista após a maior goleada sofrida da história da Seleção Brasileira, nesta terça-feira, no Estádio do Mineirão. Tentando manter a compostura, o camisa 12 agradeceu nesta o apoio da torcida que compareceu a todos os jogos do Brasil na Copa do Mundo e lamentou o apagão da equipe logo depois do primeiro gol da Alemanha na vitória por 7 a 1.

Quer acompanhar as notícias e jogos da sua seleção? Baixe nosso app. #TerraFutebol

"Sinceramente é complicado de explicar o inexplicável. Acho que temos que reconhecer o grande futebol alemão. A equipe já vem jogando junta há seis anos. Até aqui estava tudo muito lindo. O povo brasileiro está de parabéns, a torcida, por todo apoio que nos deu até aqui. Com certreza  os jogadores vão falar na zona mista, vão agradecer, vão se desculpar, mas eles foram muito fortes, temos que reconhecer", admitiu o goleiro, que explicou que o primeiro gol da Alemanha, marcado aos 10min de jogo, abalou a Seleção Brasileira, que iniciou o confronto pressionando o adversário.

"Depois do primeiro gol deu um apagão, ninguém esperava.  Agora é voltar para nossas casas, abraçar nossos familiares. Fica aqui o meu agracemimento a todo o povo brasileiro", justificou Júlio César.

O goleiro lembrou da falha cometida por ele na partida contra a Holanda, nas quartas de final do último Mundial. Ele afirmou que preferia ser o culpado de uma eliminação pelo placar mínimo, originada por uma falha sua, do que ver a equipe sofrer com uma derrota da magnitude da desta terça-feira.

"Eu troco a minha falha que eu carreguei durante quatro anos pelo jogo de hoje. Preferia que terminasse 1 a 0 com um erro meu do que 7 a 1. O time é forte. Acho que os jogadores vão saber levantar a cabeça. Eu já passei por um momento complicado e trabalhei muito para estar nesse momento. Agradeço a Deus pela oportunidade de jogar a Copa do Mundo no meu País", concluiu o camisa 12, com olhos marejados.

Veja também:

Final do Paulistão e início do Brasileiro são os destaques do fim de semana
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade