1 evento ao vivo

Chamado de "besta", A. Brasil exalta confiança com ouro e recorde

1 set 2012
06h34
Danilo Vital
Direto de Londres

A medalha de prata nos 200 m medley SM10 começou a "quebrar" o gelo do brasileiro André Brasil nos Jogos Paralímpicos de Londres, na quinta-feira. Nesta sexta, ele completou o processo e ainda ganhou confiança por mais sucesso, ao conquistar o ouro nos 50 m livre S10, com direito a quebra de recorde mundial: 23s16. O grande desempenho foi exaltado por um amigo espanhol que o chamou de "besta".

» Acompanhe o quadro de medalhas dos Jogos Paralímpicos
» De bocha a goalball, conheça os esportes da Paralimpíada
» Confira dez curiosidades sobre a Paralimpíada

"Ontem foi um 'start'. Começou a competição, sabe? Eu queria ter feito algo melhor, a gente sempre quer algo mais, mas eu fiquei satisfeito com o resultado. Aquele gelo de começar a nadar passou. Caí (na água) de manhã mais confiante, até brincando um pouco mais com os meus amigos", afirmou André Brasil, após a prova no Centro Aquático.

Assim, o brasileiro chega à marca de sete medalhas paralímpicas - em Pequim 2008 conquistou quatro ouros e uma prata. A força que demonstra na modalidade fez ganhar um apelido curioso junto aos nadadores espanhóis: besta. A denominação é frequentemente dada a esportistas de alta performance ou destaque. O meia Julio Baptista, por exemplo, era chamado de "La Bestia" quando defendia o Sevilla.

André Brasil, no entanto, negou o apelido. "Tenho certeza que eu não sou um ser inalcançável como alguns atletas e amigos me chamam, principalmente nas provas rápidas, de 50 m e 100 m. Tanto que meu amigo da Espanha me diz que eu sou, no bom sentido, uma besta. Uma besta de algo como se fosse um bicho, um animal, e eu tenho certeza que eu não sou isso", afirmou.

André Brasil conquistou nesta sexta o bicampeonato nos 50 m livre S1
André Brasil conquistou nesta sexta o bicampeonato nos 50 m livre S1
Foto: Fernando Borges / Terra
Fonte: Terra
publicidade