2 eventos ao vivo

Com insinuações, Andrés rebate e chama Juvenal de "cagueta"

13 out 2011
00h52
atualizado às 03h49

Dassler Marques
Direto de São Paulo

Após a derrota do Corinthians para o Botafogo por 2 a 0, no Pacaembu, nesta quarta-feira, o presidente Andrés Sanchez concedeu uma entrevista coletiva e, de forma ríspida e com uma série de insinuações, rebateu as declarações de Juvenal Juvêncio, mandatário do São Paulo. À tarde, o dirigente provocou ao afirmar que o problema de Andrés é "um mobral inconcluso".

"Além de dar golpe, ele fica se escondendo, mas faz parte do cagueta", atacou Andrés, que acusou Juvenal de ter vazado à imprensa o vídeo de uma reunião em que ele chama executivos da TV Globo de 'gângsters'. "Tenho muito orgulho das pessoas que concluíram o mobral. Eu não fiz o mobral, fiz só até o ginásio e me arrependo disso", emendou.

Andrés também acusou Juvenal Juvêncio de corrupção em obras casas populares - o são-paulino foi subprefeito da Penha, bairro paulistano. "Sempre trabalhei em empresa privada, graças a Deus não me formei na faculdade ou no colégio dele. Ele sabe fazer casas populares e vender", insinuou o dirigente.

A respeito de Dagoberto, mais ironias: Andrés, que havia afirmado que o atacante irá atuar pelo Santos em 2012, brincou com o fato de Juvenal criar cavalos. "O Dagoberto não vai renovar. O cavalo que ele dá vale R$ 20 mil e não R$ 500 mil", resmungou o corintiano, que também insinuou a procura do presidente rival por treinadores empregados.

"Eu queria discutir com ele pessoalmente, mas ninguém acha ele. Isso é pessoal, não é o presidente do Corinthians e do São Paulo", explicou Andrés, saindo em defesa de pessoas com pouco estudo.

"Não é vergonha quem se formou no mobral. Isso é um preconceito terrível, é péssimo, é pejorativo. 85% dos brasileiros me entendem. Foi preguiça, falta de vontade e eu trabalhava desde pequeno. Meu pai deixou de ser digno porque tem a quarta série? Ele que trabalhou em órgãos públicos podia responder".

Fonte: Terra
publicidade