0

Emerson deixa Bombonera com funk e avisa Boca: "sou favelado"

28 jun 2012
00h39
atualizado às 08h53
Diego Garcia
Direto de Buenos Aires (Argentina)

De volta ao time titular do Corinthians na noite desta quarta-feira, após cumprir suspensão diante do Santos, Emerson teve participação decisiva no empate por 1 a 1 contra o Boca Juniors, em La Bombonera, pela primeira partida da final da Copa Libertadores da América. O camisa 11 deu a assistência para Romarinho anotar o gol corintiano, e deixou o estádio discursando contra as provocações adversárias durante o jogo decisivo.

Fiel ao estilo, Emerson deixou o vestiário corintiano rumo à zona mista improvisada para a imprensa brasileira com o já conhecido funk, reproduzido em um som que carrega durante todas as viagens corintianas. O atacante, que se estranhou por alguns momentos com Walter Erviti, adotou um discurso firme. "Sou favelado e não tenho medo de ninguém", disse.

Além dos seguidos encontros com o camisa 11 adversário em campo, Emerson deixou o estádio insatisfeito com o comportamento de Juan Román Riquelme. "Quem vive da boca é cantor, eu vivo com os pés. É um craque, mas precisa jogar. Fala, fala, quer pressionar o árbitro. Deixa o cara apitar, fazer o trabalho dele. Agora tem o jogo em casa e lá não vai ter cobrança nenhuma, vamos deixar o juiz apitar", garantiu.

Emerson acabou sendo um dos principais alvos dos marcadores do Boca Juniors na partida desta quarta. Homem com maior liberdade no esquema armado por Tite, o atacante rapidamente deixou o lateral direito Facundo Roncaglia pendurado com o cartão amarelo. Entretanto, isolado muitas vezes, não conseguiu forçar o jogo sobre a marcação dele.

Em um raro momento de "sossego", Emerson, quando o Corinthians já se encontrava em desvantagem no marcador, brilhou. O camisa 11 se livrou da marcação e descolou o passe em profundidade para Romarinho, que só teve o trabalho de tocar sobre o goleiro Orión, igualando o placar em La Bombonera. Apesar do feito, o jogador não ficou totalmente satisfeito.

"A ideia era vencer, era o objetivo. Mas, dentro das circunstâncias, do desenho que foi a partida, o empate nos deixa feliz. A gente que está dentro de campo sabe, a gente consegue ter uma leitura. A gente tinha conversado que em uma bola que a gente encaixasse sairia o gol. Fui feliz no passe, no domínio e na finalização do Romarinho", discursou Emerson, antes de aproveitar para elogiar o novo "talismã" corintiano.

"É um menino ainda, não dá para jogar responsabilidade nenhuma para ele. Ele foi muito feliz, muito tranquilo, mas é um menino ainda, que tem que ser lapidado. A gente torce para que ele possa marcar mais gols, talvez dois já no Pacaembu, na volta", concluiu.

Emerson não caiu nas provocações de alguns jogadores do Boca Juniors
Emerson não caiu nas provocações de alguns jogadores do Boca Juniors
Foto: AFP
Fonte: Terra
publicidade