0

Diego eleva o tom nas críticas diz que Fla não foi profissional

5 mar 2013
21h55
atualizado às 22h15

Após saber do fim dos investimentos na ginástica artística, Diego Hypolito adotou um tom forte nas críticas com o Flamengo. Em entrevista coletiva, no Rio de Janeiro (RJ), nesta terça-feira, o atleta, que estava em São Paulo, onde treina desde o início do ano, reclamou da falta de diálogo com os dirigentes do clube e cogitou que a ação poderia ser uma represália a ex-presidente Patricia Amorim.

Ao lado de Daniele Hypolito, Jade Barbosa, Sérgio Sasaki, Petrix Barbosa, e Caio Campos e do técnico Renato Araújo, Diego revelou que desde a posse da nova gestão no clube tentava uma reunião com o vice-presidente de esportes olímpicos, Alexandre Póvoa, mas que seus pedidos não foram atendidos. Ele tentava se comunicar com os dirigentes por intermédio da coordenadora de ginástica olímpica, Ana Paula Luque. Após as insistências, o ginasta conseguiu se reunir com o diretor-executivo do clube, Marcelo Vido. O encontro deixou Diego otimista com o futuro da modalidade no Flamengo.

- A Luque me ligou às 10 horas da manhã e a coletiva do Flamengo foi às 11h. Se como a gestão fala que é super organizada, como a gestão não liga? Acho que tem que ter uma comunicação, um respeito. Quando isso acontece, a gente tem que procurar um clube novo, uma empresa nova. O que eu sinto é que foi totalmente uma retaliação do que aconteceu com a Patricia, a minha sensação é essa - disse Diego, que soube do fim do apoio primeiro pela internet, e depois por um telefonema de Jade Barbosa.

Após as insistências, o ginasta conseguiu se reunir com o diretor-executivo do clube, Marcelo Vido. O encontro deixou Diego otimista com o futuro da modalidade no Flamengo.

- Desde o início do ano estão falando que a ginástica é prioridade dos esportes olímpicos. Não consigo não estar muito revoltado com essa atitude, não tiveram profissionalismo com atletas que são profissionais - lamentou.

O que mais incomodou os atletas foi a falta de comunicação com o clube. Segundo os ginastas, eles poderiam ter se reunido para falar sobre a situação financeira da modalidade e pensar em ideias para remediar o problema.

- Não estou me preocupando se o salário vai diminuir, como vai ser o salário. Existe uma familiaridade com o clube muito grande, todos torcedores brasileiros sabem que somos flamenguistas, é uma questão de carinho que o Flamengo não teve com os atletas - disse Diego.

Até o dia 23, Diego, Sasaki, Petrix e Caio permanecerão treinando em São Paulo, no Pinheiros. Agora, os atletas irão buscar junto ao Comitê Olímpico Brasileiro uma alternativa para permanecerem treinando.

Fonte: Lancepress! Lancepress!
publicidade