PUBLICIDADE

Após bi de Ana Marcela, técnico já visa medalha inédita na Olimpíada

16 out 2012 13h05
Publicidade
Klaus Richmond
Direto de Santos

O técnico de Ana Marcela Cunha, Márcio Latuf, já ambiciona novas metas a nadadora, recém-chegada da China, onde conquistou o seu segundo título da Copa do do Mundo de Maratonas Aquáticas. Latuf diz que já trabalha pensando em inédita medalha olímpica para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, após a frustração da nadadora não ter ido a Londres.

"O trabalho está começando, temos um objetivo, para 2016, que é de trazer uma medalha seja qual cor for para o Brasil", afirmou Latuf. "Muita gente ajudou (na recuperação), mas eu que estava ao lado dela quando não conseguiu a vaga para Londres e vi que ficou nervosa. Depois voltou ao normal, frisei que precisaríamos conquistar o mundial", completou.

A atleta não esteve na última Olimpíada, em Londres. Cogitou a condição de viajar, como suplente, "pelo próprio bolso", mas acabou permanecendo no País. Poliana Okimoto foi a representante brasileira, mas acabou desistindo em meio a prova final.

"Vi as últimas duas voltas da prova, estava no Canadá, quando cheguei para ver não vi a Poliana, achei estranho pois ela já até estourou o tímpano nadando. Um americano já faleceu indo até os limites, então é preciso ter cautela e acho que foi isso que aconteceu. Ela falou para mim que sentiu muito. Era o Brasil, não a Poliana competindo", ponderou.

Ana Marcela participou dos Jogos Olímpicos de Pequim, ficando em quinto lugar com apenas 16 anos. O treinador da nadadora admitiu que poderia ter repensado a estratégia na primeira eliminatória.

Campeã da Copa do Mundo na China, Ana Marcela ficou em quinto lugar na Olimpíada de 2008
Campeã da Copa do Mundo na China, Ana Marcela ficou em quinto lugar na Olimpíada de 2008
Foto: Divulgação
Fonte: K.R.C. DE MELO & CIA. LTDA - ME
Publicidade