5 eventos ao vivo

Fratus cresce e se consolida como grande promessa da natação

4 mai 2011
14h21
atualizado às 14h30
Mônica Garcia
Direto do Rio de Janeiro

César Cielo está lá. Nesta quarta-feira, o nadador garantiu o ouro e tomou posição no lugar que lhe era esperado, o mais alto do pódio do Troféu Maria Lenk na prova mais veloz da natação, os 50 m livre, da qual detém o recorde mundial. Ainda assim, viu um rival surgir na raia ao lado. Bruno Fratus, que já vinha conquistando bons resultados ao longo do ano, terminou em segundo, com 22s20, contra 21s95 de Cielo, e não gostou.

O nadador do Pinheiros disse que queria o ouro. A meta era bater Cielo. "Ir para o Mundial não é o objetivo. Para cumprir o objetivo, tem que garantir a vaga. Tinha que superar um cara muito bom (Cielo). Esse tempo de 22s20 é de início de temporada, de fevereiro. Estou indignado comigo mesmo. É exigência minha", disse o nadador, ao deixar a piscina.

Fratus, 21 anos, ficou com a vaga que era disputada entre ele e Nicholas Santos. O atleta do Flamengo ficou em terceiro, com 22s50. Para Cielo, Fratus já é uma realidade. "É um cara que sempre nadou muito bem e que nesse último ano cresceu bastante. Vamos representar o Brasil com força no Mundial", disse.

Para Cielo, a prova desta quarta foi muito boa. "Eu me senti bem na água. Achei que nadei como no revezamento ontem, mas o importante foi ganhar. Até porque foi uma situação meio difícil para mim. Estava todo mundo preparado, raspado, descansado. É difícil você entrar em uma prova achando que tem gente em condições melhores do que a sua. Acho que ter superado isso foi importante para ganhar uma confiança boa e chegar no Mundial em condições igual a todo mundo e tentar tirar uma vantagem desse momento".

Ele ainda disse que pretende chegar ao Mundial em condições perfeitas para essa prova. "Hoje deu tudo certo, consegui ficar sem respirar, mas acho que no finalzinho pesou um pouco, devia ter dado uma respirada antes. Tudo é questão de estudar e analisar estratégia de prova, para chegar ao Mundial com a prova mais perto da perfeição. E não ter nenhum contratempo antes".

Já para o técnico de Cielo, Alberto Silva, o nadador não fez uma boa saída e, por isso, não conseguiu o mesmo tempo de ontem no revezamento 4x50 m livre, quando cravou 21s73.

"A expectativa era ter feito hoje um tempo menor. Ontem ele encaixou uma saída melhor no revezamento 4x50, do que hoje nos 50 m livre. A saída na prova é muito importante. É uma coisa natural dele, fazer uma boa saída. Mas hoje não encaixou a saída perfeita", comentou.

"Eu acho que isso atrapalhou um pouco a performance dele na prova. Mas isso faz parte. A gente está satisfeito com o que ele fez até agora. O que eu particularmente estava esperando, que era nadar para 21s7, ele conseguiu ontem. Então hoje nós criamos uma expectativa dele nadar em 21s5, mas é isso, faz parte da competição. Nem tudo encaixa do jeito que a gente queria. Mas foi um bom começo. Ele ainda não está 100%. Ele ainda está em 75% da sua performance", encerrou Albertinho.

Frio prejudica

Para Cielo, o clima ruim que faz no Rio de Janeiro nesses dias de competição não vem ajudando os nadadores a fazerem os melhores tempos.

"Fiquei satisfeito com a prova hoje, embora esteja esse tempo nublado. O tempo não está ajudando aqui, está meio frio. Mas não tem o que reclamar, não. Acho que todo mundo piorou um pouquinho as marcas. O Fratus piorou um pouquinho em relação às eliminatórias. Acho que o mais importante é marcar ponto e ganhar a prova", finalizou.

Bruno Fratus se consolida como grande nome da natação
Bruno Fratus se consolida como grande nome da natação
Foto: Satiro Sodré/CBDA / Divulgação
Fonte: Bulcão e Tresdê Assessoria e Comunicação Ltda - Especial para o Terra Bulcão e Tresdê Assessoria e Comunicação Ltda - Especial para o Terra

compartilhe

publicidade