1 evento ao vivo

Assessor das Nações Unidas condena ataque a ônibus do Togo

11 jan 2010
11h23
atualizado às 12h05

O Assessor Especial das Nações Unidas para o Esporte, o alemão Wilfrid Lemke, condenou nesta segunda-feira o atentado sofrido pela seleção de futebol do Togo em Angola na última sexta-feira.

Para Wilfried Lemke, atentado ataca também os valores esportivos
Para Wilfried Lemke, atentado ataca também os valores esportivos
Foto: Reuters

» Veja fotos da volta de Togo
» Veja imagens do atentado
» Veja o mapa da região
do atentado em Angola

» Togo inicia dias de luto por mortes em ataque contra seleção
» Líder de grupo afirma: "Cabinda está em guerra"
» Seleção de futebol do Egito pede proteção em Angola
» Queríamos jogar pelos colegas mortos, diz Adebayor

"Não se trata somente de um ato de violência contra cidadãos inocentes, mas também um ataque contra os valores esportivos", afirmou Lemke, por meio de um comunicado.

"O esporte tem a capacidade de fomentar o entendimento e a amizade entre os povos. Os atletas que participam de competições internacionais são o símbolo disso. Atacá-los significa também atingir os valores humanos que compõem o esporte", acrescentou.

A nota lembra ainda outros atentados recentes contra esportistas, como o sofrido pela seleção de críquete do Sri Lanka, em março do ano passado, e o que houve há apenas uma semana no Paquistão, durante um jogo de vôlei.

O incidente com a seleção togolesa aconteceu pouco após a equipe entrar na província de Cabinda, onde disputaria partidas pela primeira fase da Copa Africana de Nações.

O ônibus que transportava os jogadores, apesar de escoltado pela polícia angolana, foi metralhado por membros da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (Flec), organização separatista que assumiu a autoria do atentado.

O ataque deixou pelo menos dois mortos na delegação - o assistente técnico da seleção, Abalo Amelete, e o assessor de imprensa da equipe, Stan Ocloo. Houve também vários feridos, entre eles o goleiro reserva Kodjovi Obilale, que recebeu um tiro nas costas e está internado em estado grave.

Por causa do atentado, a seleção de Togo deixou o torneio, atendendo a um pedido do governo de seu país.


EFE   
publicidade