PUBLICIDADE
Logo do

Fluminense

Favoritar Time

Calvário dos cariocas é marca do Brasileiro

17 ago 2009 - 09h42
Publicidade

Sem conquistar nenhum título do Campeonato Brasileiro nesta década, em que Botafogo e Vasco já foram rebaixados, o futebol carioca viveu um primeiro turno de turbulências, dentro e fora de campo, na edição 2009.

» "Campeonato do asterisco" mantém mistério de campeão do turno
» Demissão de técnicos é marca do 1º turno
» Veja quem são os reis de assistência da Série A
» Receba os gols do seu time pelo celular
» Compre e venda ações dos times da Série A no Futex

A consequência disso se reflete na tabela de classificação, em que nenhum time (exceção feita ao Flu, ainda na primeira rodada) sequer chegou ao G-4 em 19 rodadas. Não fosse o suficiente, Botafogo e o próprio Fluminense, que foi lanterna, lutaram o tempo todo contra a zona de rebaixamento.

Flamengo - 9º colocado -

Ao longo das 19 rodadas, o Flamengo viveu alguns momentos de turbulências internas, apesar de ter conquistado o tricampeonato carioca e, em seguida, repatriado Adriano. A chegada do atacante provocou euforia e o melhor público do primeiro turno na estreia dele, contra o Atlético-PR, com 68.217 pagantes. Mas também trouxe problemas.

Adriano faltou a três treinamentos, o que estremeceu a relação entre a diretoria e o então treinador Cuca. Para piorar o clima, Delair Dumbrosck, presidente em exercício, empurrou Petkovic a contragosto. Sem ambiente com os jogadores, o técnico colecionou maus resultados e foi demitido após empatar com o Barueri, o que provocou a reformulação de todo o departamento de futebol rubro-negro.

Depois de consultar uma série de nomes, especialmente o de Jorginho, auxiliar de Dunga na Seleção Brasileira, o Flamengo optou pela efetivação de Andrade, jamais experimentado na função, e de desempenho irregular.

Botafogo - 15º colocado -

Sempre entre os 10 últimos colocados, o Botafogo chegou a declarar que Ney Franco "ficaria no cargo até quando quisesse", mas demitiu o treinador após derrota em casa, contra o Atlético-PR, na rodada 18.

Com um orçamento modesto, o clube ainda teve sérios problemas físicos com vários jogadores, o que diminuiu as opções para a equipe titular. Uma das explicações para a saída do treinador, inclusive, foi a assiduidade dos jogadores no departamento médico e o baixo fôlego da equipe, que sofreu vários gols em fins de partidas, minando uma reação que parecia se desenhar em julho.

Fluminense - 19º colocado -

Com mais de 20 jogadores contratados em todo o ano e altos salários pagos a atletas que não têm rendido, o Fluminense viveu um primeiro turno esquecível e chegou a ter índices piores que anos de rebaixamento em alguns momentos da competição.

Internamente, a chegada de uma parceria com a Traffic abalou as já conturbadas relações da diretoria com a Unimed, outra parceira. Alexandre Faria, responsável pelo futebol, foi demitido, e a empresa de plano de saúde se impôs: exigiu os retornos de Branco para a direção e Renato Gaúcho para o comando técnico - ambos tinham sido demitidos em 2008.

O atacante Fred simboliza a maré ruim das Laranjeiras. Contratado em clima de festa e com altos salários, ele levou dois cartões vermelhos, teve uma seríssima lesão muscular e seu irmão e procurador ainda disse que ele adoraria atuar no Sevilla. Justamente quando o clube estava na zona da degola.

Roberto Horcades apostou em Parreira, mas Fluminense não se encontrou no Brasileiro
Roberto Horcades apostou em Parreira, mas Fluminense não se encontrou no Brasileiro
Foto: Photocamera / Divulgação
Fonte: Terra
Publicidade