0

De roupa nova, Palmeiras bate Goiás e ainda sonha com G-4

30 out 2010
20h26
atualizado às 23h33

Inspirado no rúgbi, o Palmeiras lançou nesta semana o novo terceiro uniforme para a próxima temporada. E, dentro de campo neste sábado, a vestimenta transformou o clube de Palestra Itália, que carregava consigo a pressão de três jogos sem vitória. Atuando na Arena Barueri, os comandados de Luiz Felipe Scolari derrotaram o Goiás pelo placar de 3 a 2 e mantiveram o sonho da classificação à Copa Libertadores da próxima temporada.

O resultado em Barueri deixou o Palmeiras, que ainda segue na disputa da Copa Sul-Americana, competição que dará ao campeão uma vaga na Libertadores, com 47 pontos, apenas quatro atrás do Botafogo, clube que venceu também neste sábado o Atlético-MG por 2 a 0, em Sete Lagoas, e alcançou os 51 tentos, terminando a 32ª rodada na quarta colocação da Série A.

Em contrapartida ao time alviverde paulista, o clube de Goiânia se complicou ainda mais no Campeonato Brasileiro. Estacionado com 31 pontos, Goiás caiu à penúltima colocação, quatro tentos atrás do Guarani, primeiro adversário fora da zona da degola.

Na próxima rodada, o Palmeiras tem complicado duelo contra o Atlético-PR, equipe que ainda briga para se estabelecer entre os quatro melhores do nacional. A partida está marcada para as 21 horas (de Brasília) da quinta-feira, na Arena da Baixada em Curitiba. O Goiás também terá adversário sulista na sequência do Brasileirão: às 19h30 (de Brasília) da quarta-feira, recebe o Grêmio no Estádio Serra Dourada, em Goiânia.

Antes mesmo de ser iniciada, a partida entre Palmeiras e Goiás teve um acontecimento bizarro. Em virtude da demora visitante para entrar em campo, o Hino Nacional foi entoado com somente os paulistas devidamente enfileirados. Enquanto o som da Arena Barueri entoava os versos da letra de Joaquim Osório Duque-Estrada, o clube esmeraldino entrou em campo.

Diante da tímida presença de público na Arena Barueri, o Palmeiras fez um primeiro tempo seguro, no qual dominou as ações e pouco foi ameaçado pelo Goiás. O técnico Jorginho ainda tentou confundir o time paulista, escalando uma equipe que aparentemente jogaria no 4-4-2. Em campo, no entanto, Wellington Monteiro atuou como terceiro zagueiro, mudando o sistema tático.

Já o Palmeiras teve Lincoln jogando mais próximo da área, com Kléber constantemente saindo para receber a bola e Luan afastado, muitas vezes abrindo passagem para o veloz lateral esquerdo Gabriel Silva. O jovem atleta conseguiu algumas boas faltas na intermediária, mas na ausência de Marcos Assunção, suspenso, o clube de Palestra Itália ficou sem sua jogada mais perigosa. O gol só saiu quando Tinga resolveu desequilibrar.

Aos 22min, o jogador fez excelente jogada pela direita, fintou a zaga e, de perna esquerda, bateu com força. A bola desviou em Rafael Tolói e tirou Harlei da jogada. Minutos depois, o time perdeu grande chance de ampliar em contra-ataque. Estavam três palmeirenses e três adversários quando Kléber tocou dentro da área para Lincoln, que cortou a marcação, mas se enrolou para finalizar, sendo travado.

O camisa 99 teve a chance de se redimir ao bater falta da entrada da área e quase encobrir Harlei, que afastou o perigo com grande defesa. A melhor chance do Goiás, equipe que abusou dos erros individuais, surgiu apenas aos 39, quando Amaral recebeu cruzamento na marca do pênalti e bateu de primeira. Deola, bem colocado, fez a defesa. Nos acréscimos, Tinga quase marcou ao tentar desvio em chute cruzado de Luan.

O Goiás voltou dos vestiários melhor - ou pelo menos mais esforçado. A equipe quase marcou em cabeçada de Amaral muito bem defendida por Deola aos 3min. Pouco depois, o arqueiro do Palmeiras fez grande defesa em finalização de Wellington Saci que tinha como alvo seu ângulo direito. Assim o time visitante se manteve: esboçando perigo e deixando o anfitrião perigosamente à mercê do empate.

O time paulistano teve uma das melhores chances do jogo aos 29min, quando Kléber recuperou a bola no ataque, invadiu a área pela direita e tocou para Lincoln no meio. Mesmo marcado, o meia preferiu bater para o gol em vez de tocar para Luan, que estava livre na esquerda - talvez porque no primeiro tempo o jovem atacante tenha feito o mesmo, desperdiçando bom contra-ataque com uma finalização ruim. A bola de Lincoln desviou na zaga e saiu.

Márcio Araújo tranqüilizou o torcedor local aos 35min, quando recebeu de Lincoln na entrada da área e bateu de esquerda, de forma colocada. O Goiás só chegou ao gol aos 38 min, quando Jones aproveitou vacilo da defesa para cabecear em cruzamento de Felipe. Quando Deola fez a defesa, a bola já havia passado a linha da meta. No rebote, Carlos Alberto completou para garantir.

O tento visitante não foi suficiente. Aos 41min, pouco depois de substituir Kléber, Dinei desviou de cabeça em cruzamento de Luan e marcou pela primeira vez com a camisa do Palmeiras. O Goiás não desistiu e foi buscar a reação mais uma vez. Aos 44min, Rafael Moura aproveitou corte mal feito em cruzamento para bater para o gol. Deola defendeu e, no rebote, Éverton Santos fez o segundo tento esmeraldino, insuficiente para evitar a derrota.

Com informações da Gazeta Esportiva

FICHA TÉCNICA

Palmeiras 3 x 2 Goiás

Gols
Palmeiras: Tinga, aos 21min do primeiro tempo, Márcio Araújo, aos 35min do segundo tempo, e Dinei, aos 41min do segundo tempo
Goiás: Jones, aos 38min do segundo tempo, e Éverton Santos, aos 44min do segundo tempo

Ponto Forte do Palmeiras
As jogadas pelas laterais, principalmente com Tinga, Márcio Araújo e Gabriel Silva

Ponto Forte do Goiás
O poder de reação no final do encontro, que quase complicou o Palmeiras

Ponto Fraco do Palmeiras
O relaxamento no final do encontro

Ponto Fraco do Goiás
A marcãção falha pelos lados do campo

Personagem do jogo
Tinga, do Palmeiras, por criar as melhores chances do time e marcar o primeiro gol

Lance polêmico
.Não houve

Esquema Tático do Palmeiras
4-4-2
Deola; Márcio Araújo, Danilo, Fabrício e Gabriel Silva; Edinho, Pierre (Dinei), Tinga e Lincoln (Patrik); Luan e Kleber (Dinei). Técnico: Luiz Felipe Scolari

Esquema Tático do Goiás
4-4-2
Harlei; Douglas (Carlos Alberto), Ernando, Rafael Tolói e Wellington Saci; Jonílson (Éverton Santos), Amaral, Wellington Monteiro, Bernardo (Jones); Rafael Moura e Felipe.Técnico: Jorginho

Cartões Amarelos
Palmeiras: Luan e Kleber
Goiás: Amaral, Jonílson, Douglas e Rafael Tolói

Árbitro
Djalma José Beltrami Teixeira (RJ)

Local
Arena Barueri, em Barueri (SP)

Fonte: Redação Terra
publicidade