PUBLICIDADE
Logo do

Grêmio

Favoritar Time

Grêmio encurrala São Paulo na defesa e pouco finaliza

5 nov 2009 - 10h27
(atualizado às 10h29)
Publicidade

Dentro de casa, onde é o melhor mandante do Campeonato Brasileiro, apoiado pela torcida e, de quebra, com superioridade númerica na última parte do jogo. O Grêmio teve muitos motivos para encurralar o São Paulo, no empate de 1 a 1 na quarta-feira, e de fato atingiu o objetivo. Faltou mesmo ao time de Paulo Autuori é ser mais incisivo.

» Veja fotos de Grêmio x São Paulo
» Com 3 expulsos, São Paulo segura Grêmio e volta à ponta
» Tcheco nega acerto com Corinthians e prioriza Grêmio
» Técnico gremista repreende reclamações dos jogadores
» Comente o empate em Porto Alegre

Rogério Ceni esfria o jogo: dominado, São Paulo controla a pressão gremista
Rogério Ceni esfria o jogo: dominado, São Paulo controla a pressão gremista
Foto: Vipcomm / Divulgação

Em 36% do tempo de posse de bola que teve na partida, o São Paulo de Ricardo Gomes ficou preso na intermediária defensiva, afastando as investidas rivais e tentando iniciar o jogo. Apenas 15% da posse de bola são-paulina se deu na intermediária ofensiva. Completando, 44% da posse do tricampeão se conservou no meio. Os dados são do Footstats.

O Grêmio, com o domínio territorial do jogo, esteve na intermediária ofensiva em 27% do período em que reteve a bola. Na defensiva, em 29% do tempo. E, no meio-campo, em 42% do período.

Ao longo da partida, os jogadores gremistas foram superiores em quase todos os fundamentos. Souza liderou o número de passes (41), posse de bola (1min54seg), dribles (três) e faltas recebidas (quatro), além de se destacar em finalizações (três) e cruzamentos (quatro). Adílson (seis), Lúcio (cinco) e Rafael Marques (quatro) também comandaram os desarmes.

Apesar de todo o domínio, o Grêmio chegou poucas vezes, de fato, ao gol de Rogério Ceni. Foram cinco finalizações certas e 10 erradas dos gremistas. Acuado, o São Paulo ainda acertou a meta de Victor em três ocasiões, além de oito arremates que não atingiram o alvo.

Rogério Ceni, aliás, foi fundamental para esse controle são-paulino. Além de orientar a defesa após as expulsões de Borges e Dagoberto e esfriar o jogo para o tempo passar, o goleiro lançou 27 bolas para longe durante a partida - o dobro em relação ao gremista Victor.

Fonte: Terra
Publicidade