0

No jogo mil de Ceni, São Paulo bate Atlético-MG com festa e lidera

7 set 2011
17h54
atualizado às 20h55
Dassler Marques
Direto de São Paulo

Em um dia que foi tomado pela festa no Morumbi, o São Paulo fez jus ao milésimo jogo de Rogério Ceni com a camisa tricolor e venceu o Atlético-MG por 2 a 1, com belos gols de Lucas e Dagoberto, para assumir a liderança do Campeonato Brasileiro nesta quarta-feira. Com 60 mil torcedores empurrando a equipe, os paulistas não criaram muitas chances de gol, mas foram melhores que o rival mineiro.

» Confira 100 jogos marcantes da carreira de R. Ceni

Agora, o time de Adilson Batista tem 41 pontos e não pode ser superado por nenhum adversário na ponta da tabela nesta quarta-feira. Já o Atlético, que diminuiu com o zagueiro Réver, ficou com 21 pontos, ainda amargando um lugar na zona de rebaixamento.

Protagonista antes do apito inicial - quando recebeu uma placa comemorativa das mãos do ex-governador e ex-presidente do São Paulo, Laudo Natel - Rogério pouco teve que trabalhar durante o jogo. Nem mesmo oportunidades de bater faltas ele teve. A partida foi truncada, com poucas oportunidades claras, e o time tricolor foi levemente superior durante todo o confronto.

Na próxima rodada, o São Paulo visita o Grêmio no Estádio Olímpico. Já o Atlético-MG, que vinha de duas vitórias, tenta iniciar mais uma a reação diante do Bahia, na Arena do Jacaré.

A vitória são-paulina para Rogério Ceni

Adilson Batista mandou o São Paulo a campo em um 4-4-2 sem atacantes fixos: Lucas, Cícero e Dagoberto ficaram livres para se movimentar pelo campo e tentar achar espaços no setor ofensivo. No meio, Rodrigo Caio e Carlinhos Paraíba foram os volantes mais presos, enquanto Casemiro teve mais liberdade para apoiar.

No Atlético-MG, Cuca apostou em um esquema inusitado, com Richarlyson como lateral defensivo e Mancini, pela direita, solto para um duelo individual com Juan. Com mais três volantes, tentou neutralizar o meio-campo são-paulino, inclusive com Neto Berola, à esquerda, na caça a Wellington. André e Daniel Carvalho foram os homens com mais liberdade.

Quando a bola rolou, nem deu tempo de a partida apresentar qualquer padrão e o time paulista já saiu na frente. Com apenas 28 segundos, Lucas tramou com Casemiro, aproveitou bate-rebate do lado direito da área, invadiu e bateu cruzado para inaugurar o marcador e festa total dos 60 mil torcedores presentes ao Morumbi.

Com marcação forte no meio de campo e boa movimentação da dupla de frente, o São Paulo foi melhor nos primeiros 10 minutos. Na bola parada, porém, o Atlético chegou ao empate: após escanteio batido da esquerda, Réver subiu mais que a zaga tricolor e cabeceou no contrapé de Rogério Ceni, que ficou parado e só pôde assistir ao gol do time mineiro.

A partida ficou bem mais truncada depois do 1 a 1 e nenhum time mostrou criatividade suficiente para sair da marcação do adversário. A torcida do São Paulo só se animava quando Richarlyson pegava na bola, manifestando-se para vaiar o ex-atleta tricolor. Aos 23min, Juan resolveu arriscar de longe e assustou o goleiro Renan Ribeiro.

André sentiu lesão aos 34min e teve que ser substituído por Guilherme, que se movimentou mais no ataque atleticano. As chances, porém, seguiram escassas. O time da casa tentava usar o apoio dos laterais Wellington e Juan, mas Lucas era o único que tentava algo diferente: aos 38min, ele ganhou de Richarlyson pela direita e finalizou para fora. O primeiro tempo terminou sem maiores emoções.

A segunda etapa começou muito brigada, e coube a Dagoberto tirar um coelho da cartola aos 6min. O atacante recuou para receber a bola no meio de campo, se livrou da marcação de Fillipe Soutto e acertou uma pancada de longa distância no canto de Renan Ribeiro, recolocando os anfitriões na frente do placar.

O São Paulo recuou e o Atlético adiantou o time em busca do empate, mas esbarrava nos passes errados e pouco ameaçava. Guilherme saiu da área e sofreu falta perigosa aos 9min, mas Daniel Carvalho bateu por cima da meta. Logo os treinadores passaram a mexer nas equipes: Cuca sacou o apagado Mancini para colocar o garoto Bernard, enquanto Adilson mandou a campo Rivaldo no lugar do invisível Cícero, convocado por Mano Menezes para a Seleção juto também de Lucas, Rhodolfo e Casemiro.

Dagoberto quase ampliou aos 20min ao receber na entrada da área e finalizar, mas o chute desviou na zaga e saiu por cima. Cuca fez sua última alteração colocando Magno Alves no lugar de Neto Berola, e o Atlético manteve sua estrutura. Melhor no jogo, mas também sem criar chances claras, o São Paulo só tomou um susto aos 27min: Guilherme, bem na partida, tabelou com Magno Alves e bateu forte, para fora.

A situação dos mineiros ficou ainda mais complicada aos 34min, quando Leonardo Silva deu entrada forte em Carlinhos Paraíba e recebeu o cartão vermelho direto. Com um a menos, o Atlético não assustou até o apito final, e o São Paulo saiu de campo com a vitória e a liderança para presentear Rogério Ceni.

FICHA TÉCNICA

São Paulo 2 x 1 Atlético-MG

Gols
São Paulo: Lucas, aos 28s do 1º tempo, e Dagoberto, aos 6min do 2º tempo
Atlético-MG: Réver, aos 10min do 1º tempo

São Paulo
Rogério Ceni; Wellington, João Filipe, Rhodolfo e Juan; Rodrigo Caio; Casemiro (Jean) e Carlinhos Paraíba; Cícero (Rivaldo); Lucas (Henrique) e Dagoberto
Treinador: Adilson Batista

Atlético-MG
Renan Ribeiro; Mancini (Bernard), Leonardo Silva, Réver e Richarlyson; Pierre; Serginho e Fillipe Soutto; Daniel Carvalho; Neto Berola (Magno Alves) e André (Guilherme)
Treinador: Cuca

Cartões amarelos
São Paulo: Wellington, Rodrigo Caio e Henrique
Atlético-MG: Richarlyson, Pierre, Guilherme e Réver

Cartão vermelho
Atlético-MG: Leonardo Silva

Árbitro
Heber Roberto Lopes (PR)

Local
Estádio do Morumbi, São Paulo (SP)

Público pagante e renda
60.514 torcedores / R$ 1.566.195,00








Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade