PUBLICIDADE
Logo do

Grêmio

Favoritar Time

Por Libertadores, Grêmio "enrola" credores e escapa ileso

1 set 2009 - 16h27
(atualizado às 16h38)
Publicidade

No Beira-Rio, a frase de "precisamos fazer uma grande venda por ano" é praticamente um dogma. Em 2009, no entanto, o Internacional foi além e negociou seu ataque titular. Alex, em janeiro, e Nilmar, no meio do ano. O rival Grêmio, de olho em uma vaga na próxima Copa Libertadores, abdicou de qualquer negociação apesar de propostas por três titulares. Assim, deu o "calote" nos credores.

» Veja fotos dos jogadores negociados
» Saiba os clubes mais prejudicados pela transferências
» No entra-e-sai da janela, Brasil resgata bons valores no exterior
» Comente as perdas e reporte ausências na lista

Réver, destaque do Grêmio, foi um dos jogadores procurados que permaneceram no Olímpico
Réver, destaque do Grêmio, foi um dos jogadores procurados que permaneceram no Olímpico
Foto: Roberto Vinicius / Futura Press

Com dívidas trabalhistas e afins, o Grêmio inovou há alguns anos, criando o que se chama de condomínio de credores. A cada negociação de jogador, parte desse dinheiro é automaticamente desviado e distribuído entre eles, amortizando o montante. Em 2009, no entanto, eles ficaram de mão abanando.

"Quando assumimos (no fim de 2008), havia um atraso que herdamos e não deixamos surgirem novos. Abrimos mão das negociações porque contamos com a paciência e o 'gremismo' de nossos credores. Sem ter um time forte, fica difícil de colocar isso em dia. E assim, isso se reflete no quadro social e nas vendas, entre outras coisas", explica o presidente Duda Kroeff, em entrevista exclusiva ao Terra.

Esse "calote" gremista, de acordo com o presidente, é bem conduzido pelo departamento financeiro, já que judicialmente o clube fica vulnerável a intervenções caso não siga saldando as dívidas. "Vale a pena fazer esse sacrifício agora e os credores têm essa compreensão. Há diálogos diários com eles", explica.

Na avaliação da direção do Grêmio, atualmente o nono colocado e a quatro pontos do G-4, perdendo jogadores seria impossível escalar a tabela de classificação e brigar pela Copa Libertadores, competição que garante um aumento significativo nas receitas. Então, por ora, os credores precisão aguardar e torcer pelo time crescer na Série A.

"Ainda temos recebíveis de vendas antigas, como parcelas do Lucas e um dinheiro da ida do Ronaldinho Gaúcho para o Milan (a cláusula de solidariedade dada ao clube formador)", conta o presidente. Em janeiro, porém, ele diz que dificilmente o Grêmio "escapa de vender pelo menos um jogador".

Com isso, fica refletido o quanto o calendário incompatível com o europeu ainda prejudica o futebol brasileiro. "Em janeiro, é mais fácil e há mais tempo para contratar jogadores", crê Duda, que ainda reforçou o elenco com Lúcio, Fábio Rochemback e Renato Cajá.

"Foram contratações praticamente sem ônus, sem precisar pagar aos clubes onde estavam. Aumentamos um pouco a folha salarial, que foi aliviada com a saída do Alex Mineiro, do Orteman, e mais um ou outro".

Quem mais não vendeu

Além do Grêmio, também Avaí, São Paulo e Palmeiras foram clubes que conseguiram, de certa forma, passar ilesos pela janela. Líder do Brasileiro, o clube de Palestra Itália recebeu assédios por alguns de seus titulares, como Diego Souza e Pierre. Mas ficou com todos.

Em entrevista coletiva, o presidente Luiz Gonzaga Belluzzo sentou ao lado dos mandatários da Traffic, parceira do clube, para anunciar que não sairia nenhum jogador além de Keirrison. A atitude enérgica de Belluzzo manteve os atletas com a camisa palmeirense, que segue líder na competição.

Postura enérgica também teve o São Paulo, que bateu o pé pela permanência de Miranda, que teria recebido propostas de 12 milhões de euros (cerca de R$ 34 milhões) do futebol europeu. Zagueiro de Seleção Brasileira, ele não recebeu uma oferta capaz de convencer o presidente Juvenal Juvêncio - e ficou.

Fonte: Terra
Publicidade