PUBLICIDADE
Logo do

Grêmio

Favoritar Time

Relembre 5 grandes reações no Brasileiro de pontos corridos

25 ago 2009 - 10h03
Publicidade

Praticamente todas as edições do Campeonato Brasileiro em pontos corridos tiveram ao menos uma recuperação muito marcante. Em 2003, por exemplo, o Goiás saiu da lanterna para a Copa Sul-Americana, em reação que serviu de espelho para outros clubes. A subida que rendeu título, no entanto, foi a do São Paulo, em 2008, tirando 11 pontos de vantagem para o então líder Grêmio.

» Veja fotos de grandes recuperações
» Cruzeiro desponta e quer arrancada para encostar na ponta
» Leia as últimas da Série A
» Receba os gols do seu time pelo celular
» Compre e venda ações dos times da Série A no Futex

A 18 rodadas do fim, o Campeonato Brasileiro de 2009 pode ser o da recuperação cruzeirense. Vice-campeão da Libertadores, terceiro colocado na edição passada e quinto na retrasada, o Cruzeiro desponta como um potencial candidato ao grupo de cima nas últimas rodadas.

Confira 5 grandes recuperações na Série A:

São Paulo - 2008

Com um returno praticamente perfeito, de 12 vitórias e seis empates, o São Paulo tirou uma diferença impensável para o líder Grêmio e acumulou seu terceiro título nacional consecutivo. No total, foram 18 jogos de invencibilidade e uma reação que desafiou a lógica das probabilidades estatísticas. Foi, ainda, o campeonato da afirmação de Hernanes, melhor jogador da competição.

Flamengo - 2007

Quando o primeiro turno terminou, o Flamengo ainda tinha três jogos atrasados a realizar, mas era o penúltimo colocado e tinha um aproveitamento fraquíssimo, com 33,3%. Matando os adversários um a um, o time cresceu a partir da chegada de Joel Santana, fez encher o Maracanã em todos os jogos e terminou o Brasileiro em terceiro lugar, apenas um ponto atrás do vice-campeão Santos. Joel que, aliás, já havia tido grande reação em 2005, salvando o Fla de queda iminente.

Corinthians - 2004

Tite assumiu um Corinthians em crise na oitava rodada e terminou a uma posição da vaga na Copa Libertadores do ano seguinte. Armou uma retranca na defesa e, no ataque, apostou em jogadores como Alessandro Cambalhota, Fábio Baiano e o então garoto Jô. O time reagiu na base de vitórias magras - 13 de suas 18 foram por um gol de diferença.

Goiás - 2003

No trabalho que projetou Cuca para o futebol, o Goiás conseguiu um verdadeiro milagre em 2003. Depois de fazer seis pontos em 12 rodadas e terminar o primeiro turno na lanterna, o time reagiu de forma inacreditável no returno: invicto por 16 jogos, acumulando uma sequência de seis e outra de cinco vitórias, a equipe esmeraldina terminou o Brasileiro em nono, com vaga na Sul-Americana seguinte. Além do treinador, o São Paulo levou Fabão, Danilo e Grafite para o Morumbi.

Grêmio - 2003

Rebaixado em 2004, o Grêmio já havia tido um sinal na temporada anterior. Lutando contra a queda ao longo de toda a competição, o time deu sinal de vida a 11 rodadas do fim, vencendo um Gre-Nal dentro do Beira-Rio com gol do ex-colorado Christian. Nos seis jogos finais, ganhou quatro, perdeu um e empatou outro - este em circunstâncias heroicas. Fora de casa, perdia para o vice-campeão Santos por 0 a 2, mas buscou o empate no finzinho. Foi o primeiro grande trabalho de Adílson Batista, que também salvou o Paysandu em 2004.

Em 2004, Fábio Baiano foi um dos nomes que ficaram marcados no limitado Corinthians
Em 2004, Fábio Baiano foi um dos nomes que ficaram marcados no limitado Corinthians
Foto: Gazeta Press
Fonte: Terra
Publicidade