0

Rivaldo admite despedida do São Paulo, mas nega aposentadoria

27 nov 2011
21h44
atualizado às 22h22

O cartão vermelho recebido no fim da derrota para o Palmeiras deve ter sido a última imagem de Rivaldo como jogador do São Paulo em campo. O meia não correspondeu como se esperava, é reserva e tem contrato até o fim do Brasileiro. Como estará suspenso na última rodada, ele mesmo admite que pode deixar o clube. Mas não se aposentar.

» Confira 50 opções de reforços grátis para seu time em 2012
» Veja 70 brasileiros perdidos pelo mundo para reforçar seu time

"Foi minha última partida pelo Brasileiro, mas não como jogador porque não vou parar no ano que vem. Não posso falar sobre a minha situação no São Paulo. Vamos aguardar a diretoria decidir", limitou-se a dizer o atleta de 39 anos, dando entrevista na saída do vestiário sobre os olhos de seu filho, de 17 anos, que atua no Mogi Mirim, clube em que o camisa 10 é proprietário.

O diretor de futebol Adalberto Baptista, único dirigente a aparecer na saída do Pacaembu depois do tropeço, preferiu não falar sobre o assunto "Não gosto de falar em despedida, nem em melancolia. Temos que tratar depois", esquivou-se.

A frustração fica com Emerson Leão, que já no clássico deste domingo conseguiu melhorar o time com a entrada do veterano no segundo tempo. "Para o craque que ele sempre foi, é altamente desagradável, ainda mais na idade dele. O pior é não fazer parte do grupo na última partida. Foi uma fatalidade, uma reação inesperada dele", lamentou o técnico.

"Não era isso que eu, como treinador do Rivaldo, pretendia para ele. Eu pretendia, nestas duas últimas partidas do ano, que ele entrasse e se sentisse bem nos 30 últimos minutos, com liberdade para fazer e se multiplicar em campo. Tenho um carinho muito especial por ele, sempre preparando e alimentando o desejo de jogar", continuou o comandante.

Rivaldo desperta interesse da Portuguesa, já foi procurado pelo Santa Cruz e pode também atuar no Mogi Mirim na próxima temporada. Ele completará 40 anos de idade em abril e quer diminuir a repercussão da expulsão em um clássico após se desentender com Gerley.

"Tenho muita coisa para mostrar, não posso deixar o que aconteceu hoje domingo como minha última imagem", disse, adotando o tom de despedida do Morumbi. "Faço um bom balanço da minha passagem. O Lucas e o Dagoberto são os artilheiros do time no Brasileiro com oito gols e venho depois, com cinco, mesmo na reserva."

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

publicidade