PUBLICIDADE
Logo do

Palmeiras

Meu time

Simon foi covarde ao anular gol, diz dirigente palmeirense

8 nov 2009 18h16
| atualizado em 9/11/2009 às 10h51
Publicidade

O gerente de futebol do Palmeiras, Toninho Cecílio, mostrou indignação com a atuação do árbitro Carlos Eugênio Simon na derrota para o Fluminense, neste domingo, no Maracanã. Para o palmeirense, o juiz não teve coragem de validar o gol de Obina no primeiro tempo do jogo.

» Veja fotos de Flu x Palmeiras
» Fred marca, Flu ganha fôlego e Palmeiras perde liderança
» Veja a classificação atualizada
» Confira a tabela completa
» Comente o jogo no Maracanã

"O futebol é para gente de coragem, personalidade, a atuação do Simon foi covarde, não pode haver um erro nesta fase da competição. Ele está em má fase no Campeonato Brasileiro inteiro", disse Toninho Cecílio.

"Foi um lance muito fácil de se apitar, foi o Obina que sofreu a falta. Agora, por que não chamam o Simon para a entrevista? Deveriam liberar os árbitros para se explicarem. Agora ele vai tranquilo para casa. Foi uma vergonha", completou.

O lance da polêmica ocorreu quando o placar era de 0 a 0. Obina balançou as redes, mas o árbitro gaúcho apontou uma falta de ataque do palmeirense sobre Maicon. No segundo tempo, Fred marcou o gol da vitória do Fluminense.

Toninho Cecílio ainda reclamou de lances duvidosos envolvendo os concorrentes. "Vamos ver as providências que serão tomadas, estão começando a estragar o campeonato, é pênalti que não se dá para outras equipes", disse o gerente alviverde, em referência a uma penalidade reclamada pelo Grêmio no recente encontro contra o São Paulo, o novo líder da classificação.

Para os jogos que restam no Brasileiro, o Palmeiras espera que o nome de Simon seja definitivamente riscado do sorteio dos seus compromissos. "Por mim, não apita mais, só falta ele ser colocado para os jogos restantes do Palmeiras. Nem preciso pedir veto", afirmou Cecílio.

Personagem do lance, Obina explicou sua versão. "Eu protegi de forma normal, fiz o gol e ele anulou. Houve um agarra-agarra como em qualquer jogada. Agora temos apenas que lamentar", disse.

Mesmo longe do lance, o goleiro Bruno também protestou contra a decisão de Simon, árbitro brasileiro nos Mundiais de 2002 e 2006 e possivelmente em 2010. Na visão do arqueiro, a marcação do gaúcho mudou a história da partida.

"Foi legítimo (o gol), infelizmente temos que conviver com isso. Depois levamos o gol do Fred e não conseguimos mais reagir", lastimou o camisa 1.

Com informações da agência Gazeta Press.

Fonte: Terra
Publicidade