Boletim

 Fale conosco
Série A
Domingo, 3 de dezembro de 2006, 21h04  Atualizada às 22h37
Paraná deve perder três jogadores para a Libertadores
 
Elaine Felchacka
Especial para o Terra
 
 Últimas de Série A
» São Paulo contrata meia Hugo, diz jornal
» Internautas põem cinco são-paulinos na seleção do Brasileiro
» Artilheiro Souza afirma que quer sair do Goiás
» Internautas elegem Renato, do Fla, o melhor do Brasileiro
Busca
Busque outras notícias no Terra:
Ao final da última partida do Campeonato Brasileiro, em que assegurou uma vaga para a Copa Libertadores de 2007, a diretoria do Paraná Clube admite que terá de fazer um desmonte da equipe. Maicosuel, Leonardo e Sandro são saídas certas.

"Não tem como segurar os jogadores. Precisamos começar a pensar no próximo ano essas negociações vão nos ajudar. Vamos tentar manter os jogadores, mas com o desempenho de alguns deles fica difícil conseguir segurar. Esta é uma semana decisiva e já saberemos quem vai e quem fica", disse o presidente do Paraná, José Carlos de Miranda.

Maicosuel e Leonardo estão sendo negociados com o Flamengo e devem assinar contrato, por empréstimo, ainda esta semana. "Estou mesmo negociando com o Flamengo, mas ainda faltam detalhes. Todo jogador sonha em atuar em uma grande equipe, como o Flamengo e o próprio Paraná, mas devo deixar o time mesmo", comentou Maicosuel.

Leonardo também dá como certa sua transferência. "Ainda não foi assinado nada, mas a negociação está sendo finalizada, faltam algumas coisas que precisam ser acertadas apenas", confirmou Leonardo.

Além de Maicosuel e Leonardo, o Paraná também negociou o meia Sandro, vendido para o futebol turco por US$ 800 mil. "Esta semana estou indo para a Turquia para fazer exames médicos. Só não revelo o nome do clube porque não consigo pronunciar", brincou o jogador.

Com três negociações certas, o Paraná ainda tem outros quatro jogadores com futuro incerto. Gustavo está sendo negociado com um clube do exterior, enquanto Batista, Peter e Cristiano, que vieram por empréstimo, ainda não renovaram os contratos.
 

Redação Terra