Série A

Série A

Segunda, 3 de dezembro de 2007, 12h31 

Marlene: "o mundo foi contra o Corinthians"

Busca
Saiba mais na Internet sobre:
Busque outras notícias no Terra:

A vice-presidente social do Corinthians, Marlene Matheus, afirmou, nesta segunda-feira, após a confirmação do rebaixamento da equipe alvinegra à Série B do Campeonato Brasileiro, que todos estavam querendo a queda do time do Parque São Jorge.

» Veja as fotos da partida
» Queda para a Série B fecha ano trágico
» Em protesto, torcedor culpa Dualib
» Corinthians deve ter desmanche

A viúva do lendário ex-presidente do clube, Vicente Matheus, reclamou da postura dos adversários gaúchos: o Grêmio, que decretou o descenso dos paulistas, e o Internacional, que foi superado pelo Goiás.

"O Grêmio jogou bem, o Internacional, não. Tiveram aqueles pênaltis. Na verdade, o mundo foi contra o Corinthians. Quantas vezes eu vi o Rogério Ceni adiantando (nos pênaltis). Mas o São Paulo vai cair também, que sabe o ano que vem?", disse, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

Aos prantos na porta do Parque São Jorge, Marlene agradeceu o fato do ex-marido não estar vivo para presenciar um dos piores momentos da história corintiana e destacou que o clube irá se reerguer no ano que vem.

"Graças a Deus ele morreu, senão seria uma segunda morte dele. Isso nunca aconteceu com a gente. Mas essa é a hora de mostrar a nossa força e vamos dar a volta por cima", acrescentou.

"Conhece a música que canta levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima?", afirmou a dirigente, que pediu o apoio dos torcedores e reprovou a invasão que ocorreu na sede do clube nesta madrugada.

"O torcedor não merece isso. Sendo sócio ou não, precisamos de vocês todos. Acho que têm todo o direito de se manifestar. Mas essa é a nossa casa, nossa casa sagrada. E não podemos permitir isso (quebradeiras), porque isso não é coisa de torcedor", reclamou.

Marlene Matheus também fez questão de isentar o presidente Andrés Sanchez da culpa pela queda, criticou a parceria com o fundo de investimentos MSI e prometeu mudanças na administração do clube para o futuro.

"O Corinthians é uma nação, é um povo. Não é vergonhoso estar na segunda, todo mundo caiu. E o André (Sanchez) não tem culpa. Daqui para frente, o Corinthians vai ser outro. Vai ser uma casa aberta, uma casa limpa", prometeu.

Redação Terra