Futebol

publicidade
24 de agosto de 2012 • 12h50 • atualizado às 14h42

Capitão do tri, Torres relembra Félix "extraordinário" e criticado

Carlos Alberto Torres relembrou atuação "extraordinária" de Félix contra a Inglaterra
Foto: Mauro Pimentel / Terra
 
Danilo Vital

Capitão da Seleção Brasileira na campanha do tricampeonato mundial em 1970, Carlos Alberto Torres relembrou Félix como um extraordinário goleiro e excelente companheiro. Félix, que morreu nesta sexta-feira por problemas respiratórios em São Paulo, foi exaltado pelo ex-lateral, que ainda minimizou as críticas dos tempos de profissional.

"O Félix foi um grande companheiro, um jogador que teve uma carreira, eu diria, brilhante", disse Carlos Alberto Torres, em contato telefônico com o Terra. Ele exaltou a participação do goleiro na campanha que culminou com o título de 1970: passou pelas Eliminatórias ganhando todos os jogos para fazer o mesmo na Copa do Mundo. "Félix teve uma participação muito importante", ressaltou.

"Ela era um dos jogadores de mais idade e experiência, e aí ajudou muito para que a gente pudesse, em muito bom termo, fazer todo o trabalho do grupo", explicou. O ex-goleiro tinha 32 anos na conquista do tri, contra 25 do capitão. "Contamos com a ajuda de jogadores experientes, principalmente o Félix, que era muito querido e respeitado", complementou Carlos Alberto.

O ex-jogador interrompeu a entrevista para atender a uma ligação de Roberto Rivellino, outro campeão com o Brasil no México, a quem chamou de "irmão" antes de lamentar a morte de Félix. Se os dois tinham status elevado na equipe que ainda contava com nomes como Pelé, Jairzinho e Gérson, Félix, por outro lado, era considerado o "patinho feio". Dizia-se que o Brasil ganhou a Copa apesar de Félix - uma injustiça, segundo Torres.

"As pessoas falavam muito isso na ocasião e até mesmo agora, mas isso é normal, porque todo o time tem isso. Sempre um é melhor que o outro", minimizou. Para ele, dois fatos credenciam o ex-goleiro como de extrema importância para a Seleção: primeiro, ter sido titular com dois grandes treinadores - João Saldanha e Mário Jorge Lobo Zagallo; segundo, a vitória por 1 a 0 contra a Inglaterra, na primeira fase.

"O Felix mostrou valor, inclusive na partida contra a Inglaterra, que foi o grande jogo daquela Copa do Mundo. Ele teve participação extraordinária. Quem viu o jogo percebeu que, no segundo tempo, depois que o Brasil marcou o gol que deu a vitória, os ingleses partiram para cima em busca pelo menos do empate, e o Felix apareceu de forma extraordinária", elogiou Torres. A mesma partida foi relembrada na homenagem feita pela CBF após a morte do ex-goleiro.

Terra