2 eventos ao vivo

Com Crespo e Cannavaro, Índia estreia campeonato de futebol estilo NBA

29 jan 2012
10h03
atualizado às 11h28

Estrelas como o italiano Fabio Cannavaro, eleito o melhor jogador do mundo em 2006, e os argentinos Juan Pablo Sorín e Hernán Crespo serão leiloadas na próxima semana na Premier Soccer League (PSL), um novo campeonato indiano que quer colocar o país asiático no mapa do futebol.

Junto a Cannavaro, Sorín e Crespo, também estarão presentes no torneio o nigeriano Jay-Jay Okocha, o inglês Robbie Fowler e o francês Robert Pires, novos destaques do futebol local, que encabeçarão a licitação que na segunda-feira definirá o elenco das seis franquias que compõem a PSL.

Quem também iria participar do campeonato é o centroavante espanhol Fernando Morientes, que, no entanto, notificou os organizadores há poucos dias de que não poderia se deslocar ao país asiático por razões pessoais.

O torneio, que segue os passos de outros similares criados nos EUA, no Japão e no Catar, começará no dia 25 de fevereiro e será disputado durante sete semanas em Bengala, região local onde ferve a paixão futebolística em um país dominado pelo críquete.

Segundo os dados disponibilizados pela empresa organizadora, a Celebrity Management Group (CMG), primeiro haverá uma pequena liga com partidas em quatro dias na semana e depois uma fase final para qual se classificarão os quatro melhores times.

A populosa cidade de Calcutá e outras cinco localidades - Barasat, Howrah, Haldia, Durgapur e Siliguri - serão as sedes das equipes, cujas franquias serão encarregadas de desenvolver todos os aspectos logísticos e promocionais.

Os jogadores estrangeiros, todos com idades próximas aos 40 anos, serão contratados no leilão por um preço entre US$ 500 mil e US$ 800 mil.

Jogadores procedentes de países latino-americanos, africanos e asiáticos também irão reforçar os times, além de indianos, incluindo jovens promessas menores de 21 anos.

"Os jogadores sabem para onde vão e gostam do projeto", disse um porta-voz da empresa organizadora da competição. Os times serão dirigidos por treinadores estrangeiros, alguns deles ex-jogadores, como o português Fernando Couto e o boliviano Marco Etcheverry.

As fontes consultadas admitem que o campeonato contará com muitos veteranos, mas destacam que a competição servirá para dar um impulso ao futebol na Índia. "Esperamos uma reação espetacular da comunidade internacional. Vamos quebrar o gelo na Índia", disse o secretário da Associação de Futebol indiano, Kumar Ganguly.

"Será uma ótima influência para a juventude. Bengala demonstrou toda sua torcida pelo futebol", acrescentou. O secretário afirmou que os estádios, com capacidades entre 15 e 30 mil espectadores, terão que ser reformados pelas respectivas equipes.

A organização defende que a PLS tem o objetivo de criar uma nova cultura, audiência e mercado futebolístico, promover o futebol e aumentar a infraestrutura de primeira classe. Contudo, alguns observadores levantaram dúvidas sobre a capacidade real para organizar um evento desta envergadura na Índia, uma potência emergente ligada ao alto crescimento, mas com enormes desigualdades sociais.

O país ainda planeja se livrar do famoso fracasso dos Jogos da Commonwealth de 2010, em Délhi, embora este fiasco tenha sido resolvido com o primeiro GP de Fórmula 1 realizado em outubro passado nos arredores da capital indiana. Calcutá já recebeu com sucesso em setembro uma partida amistosa entre Venezuela e Argentina no Salt Lake Stadium, o segundo maior do planeta, o que faz crer que a mini liga das estrelas poderá provocar uma boa reação no público local.

As entradas custarão cerca de 100 rúpias (R$ 3,50), um preço baixo para padrões ocidentais, porém mais alto que o habitual nas partidas da primeira divisão indiana atual, um torneio de estrutura amadora que conta com aproximadamente 300 jogadores.

A organização espera que as principais fontes de renda sejam os suculentos contratos televisivos, o marketing, a publicidade e os patrocinadores do campeonato.

O futebol na Índia, concentrado basicamente no leste e no sul do país, se abriu um pouco nos últimos anos, e são várias as equipes de elite que apostaram em patrocinar escolinhas de formação de jogadores, entre eles o Barcelona.

Fabio Cannavaro é a principal referência do torneio na Índia
Fabio Cannavaro é a principal referência do torneio na Índia
Foto: Getty Images
EFE   
publicidade