0

Com fracassos, futebol brasileiro renega status no Pan-Americano

31 out 2011
07h46
atualizado em 4/5/2012 às 17h47

A avaliação do desempenho do futebol brasileiro nos Jogos Pan-Americanos é preocupante: em Guadalajara, as equipes masculina e feminina acabaram por renegar seus status. O respeito pela camisa verde e amarela e a responsabilidade de representar a Seleção mais vitoriosa do mundo deram lugar a um fracasso feminino, impedindo o tricampeonato, e a outro vexame masculino, eliminado ainda na primeira fase.

Confira o quadro de medalhas
Assista aos vídeos do Pan de Guadalajara
Veja todos os ouros conquistados pelo Brasil
Escolha os vilões do Brasil no Pan

Masculino dá "repeteco" de vexame

Os jogadores brasileiros são reconhecidamente os melhores do planeta. Como se isso não fosse suficiente, a Seleção Brasileira Sub-20, escolhida para representar o País no Pan, chegou a Guadalajara com nomes que conquistaram o título mundial obtido em agosto. Apesar disso, os comandados de Ney Franco conquistaram apenas dois pontos em três jogos e foram eliminados na primeira fase.

Assim, a equipe mantém o jejum de conquistas pan-americanas: não fica com a medalha de ouro desde 1987, em Indianápolis. Em duas edições subsequentes do Pan, a Seleção masculina sequer participou: em Havana (1991) e Winnipeg (1999). A eliminação no México, local em que a Seleção brilhou na Copa do Mundo de 1970, na conquista do tri mundial, foi vergonhosa, com derrota para Costa Rica por 3 a 1.

A situação é um "repeteco" do vexame protagonizado no Rio de Janeiro, em 2007, quando a equipe ficou em segundo lugar em seu grupo, atrás do Equador, e não conseguiu a classificação. Ney Franco culpou a inexperiência do time, que também conquistou o Sul-Americano Sub-20 em 2011. Além disso, criticou a arbitragem, mesmo diante do fato de o time ter jogadores expulsos nos três jogos que disputou.

Feminino vive drama e sucumbe nos pênaltis

Até 2011, o Pan-Americano havia dado provas da superação do futebol feminino brasileiro, que convive com a falta de apoio e de competições oficiais, tentando sem êxito conquistar títulos de expressão como Olimpíada e Copa do Mundo. No Pan, pelo menos, o status brasileiro era máximo: chegou a Guadalajara como bicampeão e, apesar de desfalcado de atletas como Marta e Cristiane, com grandes chances de ficar com o ouro de novo.

O time comandado por Kleiton Lima teve tropeços e só se classificou em primeiro com uma "vitória" no sorteio feito pela organização - Brasil e Canadá, que empataram por 0 a 0 na última partida da primeira fase, se igualaram também em todos os critérios de desempate. Para complicar ainda mais, o grupo sofreu um abalo com a morte do pai da lateral Maurine, uma das principais jogadoras.

Apesar da notícia, Maurine decidiu continuar em Guadalajara, em busca do ouro para homenagear o pai. Fez o gol da classificação na semifinal contra o México e fortaleceu o time todo. Na final, no entanto, amargou junto às companheiras um sofrido revés: elas voltaram a empatar com o Canadá e, nos pênaltis, foram derrotadas. Kleiton Lima voltou a cobrar apoio para a modalidade e relevou a perda do tricampeonato.

"No Rio 2007 estávamos com um time completo e as adversárias, não. Aqui em Guadalajara foi totalmente diferente, pois oito jogadoras que disputaram o Mundial não estiveram aqui conosco. Valeu como aprendizado para Londres 2012", afirmou o treinador, há três anos à frente da equipe feminina do Brasil.

Fonte: Terra
publicidade