0

Após demissão da seleção paraguaia, Arce demonstra mágoa

10 jul 2012
08h00
atualizado às 09h14

Ídolo no futebol brasileiro em virtude das passagens vencedoras por Grêmio e Palmeiras, Arce trabalha para recomeçar a carreira de técnico no Paraguai. Depois de bons resultados por três temporadas no Rubio Ñu, pequeno clube que levou à elite paraguaia, o ex-lateral-direito tenta se recuperar da frustração de seu último projeto - o rápido trabalho na seleção de seu país deixou marcas profundas.

Arce crê que faltou paciência; seleção ocupa a penúltima posição da Eliminatória Sul-Americana para a Copa
Arce crê que faltou paciência; seleção ocupa a penúltima posição da Eliminatória Sul-Americana para a Copa
Foto: EFE

» Compare as obras para Brasil 2014 em relação a África do Sul 2010
» Quem é o presidente ideal para a CBF? Veja "candidatos" e vote no melhor

"Na realidade, nem quero falar disso, já passou, estou em outra", comentou Arce, nesta segunda-feira, visivelmente decepcionado ao ser questionado se houve falta de paciência dos dirigentes da Associação Paraguaia de Futebol (APF) com o seu desempenho.

Arce assumiu o Paraguai logo depois do vice-campeonato do país na Copa América-2011, na Argentina. Na estreia, o treinador comandou uma vitória tranquila de 2 a 0 no amistoso contra o Panamá, em setembro do ano passado. O quadro para bons resultados era animador.

Porém, o desempenho do país nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014 a partir do mês seguinte foi terrível. Em cinco jogos, a equipe contabilizou somente uma vitória, um empate e três derrotas. Assim, já começa a se preocupar com a classificação para o Mundial do Brasil.

A gota d´água para as mudanças de planos no Paraguai veio na derrota no início de junho por 3 a 1 diante da Bolívia, em La Paz. O resultado levou a equipe ao penúltimo lugar da classificação, à frente apenas do Peru e principalmente atrás de rivais com menos tradição, como venezuelanos e os próprios bolivianos.

Dois dias depois do revés, Arce foi comunicado que não estava mais no comando da equipe. Nem mesmo o passado de sucesso pelo país, com a participação como atleta em duas Copas do Mundo (1998 e 2002) o segurou na função. Agora, o treinador promete juntar os cacos e recomeçar a carreira no próprio Paraguai. Novidades estão programadas para os próximos dias.

"Eu estou esperando, nessa semana deve acontecer alguma coisa, não é para o exterior, para ficar aqui mesmo (no Paraguai), não quero sair daqui, possivelmente teremos novidades", confirmou o ex-lateral direito, especialista nas bolas paradas e visto como um jogador de extrema confiança na época em que era dirigido por Luiz Felipe Scolari, atual técnico do Palmeiras.

Fonte: Gazeta Esportiva
publicidade