Terra na Copa

publicidade
22 de novembro de 2013 • 10h37 • atualizado às 10h44

Capitão, Lugano critica "Fantasma de 50" e cita ligações do Brasil

Defensor mostrou-se incomodado com atenção extra à seleção celeste
Foto: Reuters

O defensor uruguaio Diego Lugano, capitão da seleção do país sul-americano, não está nada feliz com a publicidade veiculada após a classificação do Uruguai para a Copa do Mundo de 2014, que será disputada no Brasil. Ex-jogador do São Paulo, o zagueiro citou que não para de receber ligações do Brasil para comentar sobre o comercial com o "Fantasma de 50" e reclamou que a repercussão do caso traz uma atenção desnecessária para a equipe celeste. 

"Não gostamos do tema do Fantasma porque não é o que pensamos na seleção. O importante é sempre ir sem chamar a atenção em todos os lugares e creio que isto não nos ajuda a reduzir a atenção", criticou ao periódico uruguaio El Observador o defensor, que aproveitou a passagem pelo Uruguai para o jogo da repescagem contra a Jordânia para ficar alguns dias a mais no país natal. 

Enquanto estava em território uruguaio, contudo, o ex-defensor do São Paulo não teve paz. Culpa toda da propaganda veiculada pela fornecedora de material esportivo da seleção celeste, já que após a repercussão no Brasil do comercial Lugano foi o alvo preferido de jornalistas brasileiros que buscavam declarações. 

Fantasma do Uruguai volta ao Rio e 'assusta' brasileirosClique no link para iniciar o vídeo
Fantasma do Uruguai volta ao Rio e "assusta" brasileiros

"Me chamaram de jornais e rádios do Brasil durante todo o dia. Alguns bravos pelo o que havia sido lançado. E agora estão me buscando da ESPN. Disseram que o jornalista estava na porta", reclamou Lugano. 

Com um empate por 0 a 0 contra a Jordânia no jogo de volta, a seleção uruguaia se classificou à Copa do Mundo de 2014 - havia vencido a primeira partida, em Omã, por 5 a 0. Após a confirmação da vaga, um vídeo comemorativo foi colocado na internet, com um "fantasma" oriundo de 1950 - ano em que o Uruguai calou o Maracanã ao vencer o Brasil na final da Copa do Mundo por 2 a 1 - assustando o Rio de Janeiro. 

Terra