0

França enfrenta Honduras para esquecer vexame de 2010

14 jun 2014
11h44
atualizado às 16h07

A França quer começar a pagar a dívida que deixou no Mundial da África do Sul-2010 contra Honduras, no domingo em Porto Alegre, na estreia dos dois países na Copa do Mundo do Brasil.

Quatro anos depois da eliminação na primeira fase em meio a um escândalo de indisciplina, a equipe treinada por Didier Deschamps, capitão da seleção francesa campeã do mundo em 1998, quer começar a recuperar o prestígio francês contra um rival sem peso.

Os 'Bleus' perderam sua principal estrela para a competição, o atacante Franck Ribery por uma lesão, mas ainda contam com ótimos jogadores como Patrice Evra, Karim Benzema , Olivier Giroud, Raphaël Varane e Paul Pogba.

Aos 26 anos, Benzema, campeão da Champions League com o Real Madrid no mês passado, chega ao Brasil como o líder da equipe, que na primeira fase também enfrentará Suíça e Equador pelo Grupo E.

"Eu progredi. Recebi críticas, boas e ruins. Sou um dos mais experientes na equipe da França e devo dar o exemplo", disse o atacante.

Os franceses têm tudo a seu favor para expiar as culpas da África do Sul e retornar ao clube dos favoritos contra a frágil equipe de Honduras.

A partida está programada para o estádio Beira Rio de Porto Alegre às 16h00.

E, mesmo sem Ribery, os franceses querem chegar longe no Brasil.

"O corte dele não muda nada em nosso estado de ânimo, nem as nossas ambições. Todo mundo tem vontade de fazer uma grande Copa do Mundo, será um esforço e uma resposta coletiva", afirmou o capitão e goleiro da equipe, Hugo Lloris.

Este será o primeiro confronto entre as duas seleções, que têm expectativas radicalmente opostas: a França precisa vencer e convencer, enquanto Honduras deseja mostrar que zebras ainda existem em um Mundial.

"Os jogadores sabem que não vieram a passeio", afirmou durante a semana o técnico de Honduras, o colombiano Luis Fernando Suárez, que comandou o Equador na Copa da Alemanha-2006.

Em sua terceira participação em um Mundial, Honduras deseja conquistar a primeira vitória e, talvez, uma vaga nas oitavas de final. Para isto, aposta em um esquema defensivo e de contra-ataques.

O técnico aposta que os jogadores estarão ainda mais motivados para enfrentar as grandes seleções durante o Mundial.

A polêmica antes da partida aumentou depois que o técnico francês definiu a seleção da América Central como uma equipe "agressiva em excesso", após o amistoso em que Honduras empatou em 0-0 com a Inglaterra e que terminou com nove cartões amarelos e um vermelho.

"Acredito que jogamos da mesma maneira que outras seleções, não somos agressivos", afirmou o meia Roger Espinoza, do Wigan da Inglaterra.

Para o atleta, as críticas são uma forma de pressionar o árbitro antes da partida.

Depois da estreia contra Honduras, a França enfrentará a Suíça no dia 20 de junho em Salvador e fechará a participação na primeira fase cinco dias depois, no Maracanã, contra o Equador.

FRANÇA: Hugo Lloris - Mathieu Debuchy, Raphaël Varane, Eliaquim Mangala, Patrice Evrá - Yohan Cabaye, Blaise Matuidi, Paul Pogba, Mathieu Valbuena - Karim Benzema e Antoine Griezmann. DT: Didier Deschamps.

HONDURAS: Noel Valladares - Brayan Beckeles, Víctor Bernárdez, Maynor Figueroa, Emilio Izaguirre - Luis Garrido, Óscar Boniek, Jorge Claros, Wilson Palacios, Roger Espinoza - Jerry Bengtson. DT: Luis Fernando Suárez.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade