0

Herói em Portugal e fiasco no Palmeiras, Felipão tenta reerguer Seleção

28 nov 2012
12h45
atualizado às 15h40
  • separator
  • comentários

Aos 64 anos, Luiz Felipe Scolari está de volta à Seleção Brasileira. O treinador acertou com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para ser o comandante da equipe verde-amarela até a Copa do Mundo de 2014, quando o País lutará pelo hexacampeonato diante dos torcedores. 

Felipão é a aposta do presidente José Maria Marin para que a Seleção volte a apresentar um bom futebol. O presidente da CBF decidiu demitir na última semana Mano Menezes, que havia sido contratado pelo antecessor Ricardo Teixeira - o ex-corintiano havia fracassado na Copa América de 2011 e sido medalha de prata em Londres 2012.

O treinador gaúcho já havia assumido a Seleção em uma situação crítica em 2001, quando substituiu Emerson Leão. Mesmo após o fracasso na Copa América (ao perder para Honduras) e ter encarado Teixeira para não levar Romário, Felipão montou a "Famíla Scolari", liderada por Ronaldo, e conquistou o pentacampeonato na Coreia do Sul/Japão.

Depois do Mundial, Felipão decidiu não seguir na Seleção e foi rumo à Europa. Em Portugal, o treinador virou ídolo ao ficar com o vice da Eurocopa de 2004 ao perder para a surpreendente Grécia na decisão em Lisboa. No Mundial de 2006, a seleção portuguesa voltou a brilhar e chegou à semifinal na Alemanha.

O treinador seguiu por mais dois anos e disputou a Euro 2008, mas caiu nas quartas de final - diante dos alemães. Ainda durante a competição realizada na Áustria e na Suíça, Felipão anunciou que iria comandar o Chelsea, um dos clubes mais ricos do planeta.

Luiz Felipe Scolari teve carreira de altos e baixos desde que deixou a Seleção
Luiz Felipe Scolari teve carreira de altos e baixos desde que deixou a Seleção
Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

No entanto, no time do russo Roman Abramovich, os resultados não vieram. Além disso, Felipão teve problemas de relacionamento com algumas das principais estrelas do clube e acabou demitido no meio da temporada.

Entre 2009 e 2010, Scolari foi contratado pelo desconhecido Bunyodkor, do Uzbequistão, e conquistou o título nacional. No meio de 2010, o técnico aceitou retornar ao Palmeiras - clube com o qual conquistou a Copa Libertadores de 1999 e é um dos maiores ídolos da história do clube.

No time do Palestra Itália, Felipão não teve nesta última passagem os dólares da antiga parceira Parmalat para contratações e sofreu com as turbulências internas do clube. Apesar disso, ele ainda conquistou a Copa do Brasil de 2012, quebrando um longo jejum do time alviverde em conquistas nacionais.

No dia 13 de setembro, Felipão foi dispensado pela diretoria do Palmeiras após uma campanha irregular no Campeonato Brasileiro. O clube decidiu apostar em Gilson Kleina, ex-Ponte Preta, mas acabou rebaixado de maneira prematura para a Série B.

Apesar dos problemas no Palmeiras, Felipão segue em alta com pare da torcida e sempre foi o nome preferido por José Marin e Marco Polo del Nero, presidente da Federação Paulista e braço direito do comandante da CBF, para assumir a Seleção.

Fonte: Terra
  • separator
  • comentários
publicidade