0

Paes exalta avanços, mas avisa visitantes: Rio não é Londres

2 jun 2014
14h17
atualizado às 16h18
  • separator
  • 0
  • comentários

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, afirmou nesta segunda-feira, durante a inauguração do IBC (centro internacional de transmissão, na sigla em inglês), que os estrangeiros que vierem ao Brasil esperando encontrar a Inglaterra irão se decepcionar. Segundo ele, é preciso levar em conta que o País está em desenvolvimento e trabalhando para superar as suas dificuldades.

<p>Paes afirmou que Brasil é País em desenvolvimento</p>
Paes afirmou que Brasil é País em desenvolvimento
Foto: Daniel Ramalho / Terra

"Este é um País que ainda não atingiu o nível de desenvolvimento das chamadas nações desenvolvidas. Todos aqueles que chegarem ao Brasil imaginando que chegaram à Inglaterra, que chegarem ao Rio pensando em Londres, vão ter uma experiência frustrante", afirmou.

Paes destacou os avanços do Brasil nas últimas décadas e disse que é por esta métrica que o País deve ser avaliado. “O que nós queremos chamar a atenção da imprensa é para que observe as enormes transformações pelas quais este país está passando.” Localizado no Riocentro, na zona oeste do Rio de Janeiro, O IBC (Centro Internacional de Transmissão, na sigla em Inglês) irá receber profissionais de 41 países das 86 emissoras credenciadas pela entidade para transmitir imagens do mundial.

No local, serão centralizadas as imagens enviadas pela produção da Fifa TV de todos os jogos nas 12 cidades-sede da Copa. No espaço, com 55 mil metros quadrados, foram montados 17 estúdios de até 400 metros quadrados e conectados 350 monitores HD de 40 polegadas.

O secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Luís Fernandes, lembrou que o centro permitiu conectar por meio de fibra ótica toda a região amazônica, estrutura que permanecerá após os jogos. “É a primeira vez que essa região é toda conectada por banda larga. Esse é um dos grandes legados da Copa no Brasil”, afirmou.

"A importância do IBC é fazer com que meia população do planeta, cerca de três bilhões de pessoas, tenha condições de assistir à Copa do Mundo mesmo sem estar no Brasil. Foi um grande esforço que nos permitiu conectar por meio de fibra ótica a região amazônica do Brasil no programa federal de banda larga, integrando aquela região pela primeira vez. Esse é um grande legado da Copa no Brasil”, afirmou o secretário executivo do Ministério dos Esportes, Luís Fernandes.

A FIFA espera que o centro, que irá funcionar 24 horas por dia durante toda a Copa, faça a transmissão de cerca de 5 mil horas de programação.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade