PUBLICIDADE

Pilotos da FAB usarão capacete com mira durante Copa das Confederações

Equipamento de última geração envia informações do painel e de alvos potenciais diretamente ao campo de visão do piloto

4 jun 2013 - 15h09
(atualizado às 16h17)
Ver comentários
Publicidade
<p>HMD projeta informações do painel diretamente no visor de capacete</p>
HMD projeta informações do painel diretamente no visor de capacete
Foto: FAB / Divulgação

As Forças Armadas contam com tecnologia de ponta na aviação de caça para garantir a segurança durante a Copa das Confederações. Modernizados recentemente, os veteranos caças F-5M da Força Aérea Brasileira (FAB) que farão a vigilância do espaço aéreo durante a realização do evento são equipados com o sistema HMD - sigla em inglês para Helmet Mounted Display, popularmente conhecido como capacete com mira. Integrando informações do painel e de sensores de armamentos diretamente na visão do piloto, o capacete permite que os militares tomem decisões mais rapidamente em situação de conflito.

O HMD é dotado de uma unidade eletro-óptica que projeta dados e imagens diretamente na viseira do capacete. Assim, a mira acompanha a visão do piloto para onde quer que ele vire a cabeça. Na prática, o equipamento permite que o piloto se concentre no que se passa do lado de fora da aeronave e reduz a sua dependência em relação aos instrumentos do painel, como os parâmetros do armamento, da velocidade e da altura.

No detalhe, é possível ver o sensor acoplado ao canopy (cobertura) da cabine do F-5M, que permite identificar o ângulo de visão do piloto
No detalhe, é possível ver o sensor acoplado ao canopy (cobertura) da cabine do F-5M, que permite identificar o ângulo de visão do piloto
Foto: FAB / Divulgação

Antes do uso do HMD, era necessário apontar o nariz da aeronave em direção ao alvo e evitar que o inimigo fizesse o mesmo. Agora, não é mais necessário alterar a trajetória do avião, bastando movimentar a cabeça e acompanhar a rota do inimigo. Ao "travar" a mira em um alvo, o piloto recebe sinais visuais e de áudio e pode acionar o botão de lançamento de mísseis.

Para que essa tecnologia funcione eficientemente é preciso, antes, personalizar o equipamento - cada piloto deve ter um capacete feito sob medida. A personalização exige uma etapa artesanal demorada que inclui medidas, moldagem, revestimento, calibração e vários testes. Toda a montagem é feita na Base Aérea de Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre.

"A partir do casco e das peças, nós montamos um HMD para cada aviador", diz Paulo Ricardo Fabrício Maria, sargento especialista em equipamento de voo. A precisão depende de um ajuste anatômico. "A área espelhada na viseira onde as informações são projetadas é restrita, assim o capacete não pode se deslocar durante o movimento da cabeça porque o piloto pode perder algum dado", explica o suboficial Marco Antonio Andrade de Souza.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade