PUBLICIDADE

Rouco, Galvão blinda Neymar, defende Pato e corneta árbitro

30 mai 2012 23h27
| atualizado em 31/5/2012 às 00h35
Publicidade

Galvão Bueno, narrador da Rede Globo, mais uma vez foi destaque na partida entre Brasil e Estados Unidos desta quarta-feira, realizada em Washington e encerrada com vitória verde-amarela por 4 a 1. Apesar de um primeiro tempo de discrição, o locutor mais conhecido do País se soltou após o intervalo e voltou a dividir as atenções com os comandados de Mano Menezes.

» Quem é o presidente ideal para a CBF? Veja "candidatos" e vote no melhor

Ao longo de todo o segundo tempo, Galvão lançou mão de expressões que já se tornaram conhecidas, como "muito jogo para pouco árbitro" e "lembrando que a geração de imagens é da TV local". Nos minutos finais, não conseguiu disfarçar a rouquidão, aliviada com pigarros.

Ao longo do primeiro tempo, com o domínio do Brasil sobre os Estados Unidos, Galvão foi responsável por poucos comentários curiosos. Após falar da segunda divisão do Campeonato Italiano, na qual Torino e Pescara conseguiram o acesso, manteve o foco no jogo e foi discreto.

No intervalo, apesar de um "toco y me voy" um tanto quanto fora de contexto, o narrador mais conhecido do Brasil foi cauteloso. Perguntado sobre a atuação de Oscar com a camisa 10, preferiu não relacionar o jogador do Internacional à história do número na Seleção, apenas lembrando que nomes como Pelé e Rivelino já a vestiram.

Mas no segundo tempo, o narrador se soltou mais. Aos 15min, após falta de Jones sobre Neymar, Galvão mostrou carinho pelo camisa 11 do Santos. "Ele nem está fazendo uma partida estupenda, mas está apanhando bastante", disse, aconselhando o atacante brasileiro. "Ele vai ter que se acostumar com isso. Vai apanhar muito nessa carreira dele, vai ter que ter muita cabeça e muita calma", completou.

Na sequência do lance, o locutor global não deixou passar a chance de comentar a atuação do árbitro costarriquenho Jeffrey Calderón no lance, criticando-o por dar apenas cartão amarelo. "Talvez seja muito jogo para pouco árbitro", analisou Galvão, pedindo uma análise mais profunda do ex-árbitro Arnaldo César Coelho, seu comentarista - e que só aconteceu mais de 20 minutos depois, mediante insistência.

Quando Alexandre Pato, recuperado de contusão, se esticou para tentar fazer o que seria o quarto gol do Brasil, Galvão apontou seu diagnóstico. "Se ele esticou assim, é porque está curado", exagerou. A bola do atacante do Milan bateu na trave, e o placar seguiu 3 a 1.

Por volta dos 35min, Neymar foi ao chão em jogada individual. "Foi falta não, Arnaldo?", questionou Galvão. "Foi falta, mas prendeu a bola demais", analisou o ex-árbitro. "E daí? Se foi falta...", rebateu Galvão, que insistiu na tese de "muito jogo para pouco árbitro" e finalmente foi atendido por Arnaldo César Coelho - este, concordou.

Aos 39min, após três boas defesas de Rafael, uma bola dos Estados Unidos no travessão resultou em um "ih, a trave ajudou". Nos minutos finais, Galvão ainda apresentou falhas na voz, com direito a rouquidão e até mesmo um pigarro nos acréscimos. Mesmo assim, segurou firme a narração até o "er-r-r-r-r-r-rgue o braço" aos 48min03s.

O Brasil volta a entrar em campo neste domingo, 3 de junho, às 14h06 (de Brasília), quando enfrenta o México. A partida acontece no Cowboys Stadium, em Dallas, e será a terceira da série de quatro amistosos do Brasil antes dos Jogos Olímpicos de Londres - a última será contra a Argentina,

Narrador ficou sem voz nos minutos finais da partida Brasil 4 x 1 Estados Unidos
Narrador ficou sem voz nos minutos finais da partida Brasil 4 x 1 Estados Unidos
Foto: Mowa Press / Divulgação
Fonte: Terra
Publicidade