0

Rússia de Capello enfrenta a Coreia querendo mostrar seu valor

16 jun 2014
10h20
atualizado às 10h28

A Rússia retorna a uma Copa do Mundo após 12 anos, confiante em suas forças e no técnico, o italiano Fabio Capello, terça-feira em Cuiabá (19H00), contra a Coreia do Sul, acostumada a disputar Mundiais e treinada pelo ídolo Hong Myung-bo.

A partida é válida pela primeira rodada do Grupo H, que tem ainda Bélgica e Argélia.

"Temos coisas a provar neste Mundial. Já passaram 12 anos desde a última vez que a Rússia disputou uma Copa. Nosso objetivo é disputar mais de três partidas", disse o zagueiro Vasily Berezutskiy, de 31 anos.

Berezutskiy, jogador do Dinamo de Moscou, espera uma boa campanha da Rússia no Brasil para que a equipe ganhe o máximo de confiança e experiência para a Copa do Mundo de 2018, que será disputada no país.

Ao contrário dos russos, o sul-coreanos disputam a oitava Copa do Mundo consecutiva, mas nas últimas duas não conseguiram repetir o quarto lugar de 2002, quando jogaram em casa.

E foi justamente um pênalti cobrado pelo agora técnico Hong Myung-bo que levou o país às semifinais de 2002. Mas o treinador acredita que o país evoluiu muito em 12 anos.

"O futebol sul-coreano ganhou em qualidade desde 2002", afirmou Hong Myung-bo, uma opinião compartilhada pelo zagueiro Lee Yong.

"É verdade que a equipe russa é forte e técnica. Na parte física, também são mais fortes que as equipes asiáticas. Mas estamos bem preparados e concentrados para a partida. Estamos prontos", disse Yong.

Enquanto os russos garantiram a vaga na Copa do Mundo do Brasil de maneira brilhante, sem derrotas nos 10 jogos das eliminatórias, graças a uma disciplina tática imposta por Capello, os sul-coreanos carimbaram o passaporte graças ao melhor saldo de gols que Uzbequistão.

Além disso, os russos venceram os sul-coreanos por 2-1 em um amistoso disputado em Dubai. Depois disso, os coreanos sofreram novas derrotas em amistosos de preparação: 1-0 para a Tunísia e 4-0 para Gana.

Os jogadores russos admitem o papel de Capello na excelente preparação.

"Capello pede disciplina e isto é bom porque todos estão trabalhando duro, dando 100% em cada treino", disse o atacante Maxim Kanunnikov, de 22 anos.

Mesmo sem o capitão Roman Shirokov, que não conseguiu recuperar-se de uma lesão no joelho, a Rússia é a grande favorita da partida e tem tudo para comemorar o retorno ao Mundial com uma vitória.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade