0

Tabárez renuncia à Comissão de Estratégia da Fifa após punição a Suárez

27 jun 2014
19h29
atualizado às 19h49

O técnico do Uruguai, Oscar Tabárez, anunciou nesta sexta-feira sua renúncia à Comissão de Estratégia da Fifa insatisfeito com a punição de nove partidas de suspensão que a Comissão Disciplinar da entidade impôs ontem ao jogador uruguaio Luis Suárez.

"Estou vinculado à Fifa há muitos anos, primeiro como instrutor, depois como integrante do grupo técnico e agora fazendo parte da Comissão de Estratégia", destacou Tabárez em uma declaração à imprensa.

"Sinto que devo afastar-me desse cargo porque dentro da Fifa há pessoas que pressionaram para que Suárez fosse punido com severidade excessiva. Essas pessoas manejam valores e procedimentos muito afastados dos que eu acredito ter", acrescentou o treinador.

"Em breve cumprirei os trâmites administrativos necessários para a renúncia", completou Tabárez.

O técnico uruguaio assegurou que, após ver as imagens do lance entre Suárez e o zagueiro italiano Giorgio Chellini, considerou que havia "uma possibilidade certa" de punição "para ambos".

"Mas jamais pensamos que a decisão saísse assim, com uma severidade excessiva", comentou.

A Comissão Disciplinar da Fifa decidiu sancionar Suárez com nove jogos e inabilitá-lo durante quatro meses de "exercer qualquer tipo de atividade relacionada com o futebol".

Além disso, o jogador recebeu uma multa de 100 mil francos suíços (cerca de R$ 250 mil).

Na opinião de Tabárez, a decisão "esteve influenciada pela artilharia midiática que alguns jornalistas de fala inglesa elegeram como único assunto" após o jogo.

"Quem ganha com a decisão; quem perde? Para quem será o maior benefício? Tenho minhas ideias a respeito, mas prefiro guarda-las", declarou em tom enigmático.

Segundo o treinador uruguaio, professor formado, a Fifa atuou no caso de Suárez com a teoria do "bode expiatório".

"Dar castigo exemplar a quem comete uma falta ou transgressão para que o coletivo receba a mensagem. Mas é uma forma de proceder perigosa", alertou. "Eles se esquecem que o bode expiatório é uma pessoa que, além de seu possível erro, já deu muito ao futebol dentro do campo".

Tabárez assegurou que "não justifica" a atitude de Suárez, mas disse que "sempre é preciso dar uma oportunidade a quem se equivoca".

A seleção uruguaia enfrentará a Colômbia amanhã no Maracanã em partida válida pelas oitavas de final da Copa do Mundo.

De acordo com o treinador, o elenco uruguaio está comovido pela sanção. "Estamos feridos, mas com uma força incrível e muita rebeldia", concluiu.

EFE   
publicidade