1 evento ao vivo

Diante de protestos, Fifa descarta cancelamento de Copa das Confederações

21 jun 2013
08h38
atualizado às 12h57
  • separator
  • 0
  • comentários

A Fifa disse que não considera a possibilidade de cancelar a Copa das Confederações no Brasil, no momento em que o País é tomado por protestos.

<p>Entidade mantém torneio no Brasil, mesmo com manifestações populares</p>
Entidade mantém torneio no Brasil, mesmo com manifestações populares
Foto: Reuters

Confira todos os vídeos da Copa das Confederações

Na noite desta quinta-feira, estima-se que 1 milhão de pessoas tomaram as ruas de 80 cidades. Policiais dispararam gás lacrimogêneo e balas de borracha no Rio de Janeiro, onde mais de 300 mil pessoas protestaram contra a disputa da Copa das Confederações na cidade.

No entanto, a entidade máxima do futebol mundial disse, em comunicado, que “nem a Fifa e nem o COL (Comitê Organizador Local) têm discutido a possibilidade” de cancelar a competição. O chefe de comunicação da Fifa, Pekka Odriozola, mais uma vez reforçou o apoio à liberdade de expressão.

"Apoiamos e reconhecemos direito de liberdade de expressão de forma pacífica. Condenamos qualquer tipo de violência e estamos monitorando", disse. "Em nenhum momento, a Fifa pensou em cancelar a Copa das Confederações. Não recebemos nenhum pedido de retirada de nenhuma seleção", reforçou.

&amp;lt;a data-cke-saved-href="http://esportes.terra.com.br/infograficos/copa-das-confederacoes-protestos/iframe.htm" href="http://esportes.terra.com.br/infograficos/copa-das-confederacoes-protestos/iframe.htm"&amp;gt;veja o infogr&aacute;fico&amp;lt;/a&amp;gt;

Protestos e confrontos
Os protestos nas cidades-sede da Copa das Confederações começaram justamente na primeira partida da competição, entre Brasil e Japão, no dia 15 de junho, em Brasília. Antes da partida, um grupo de pessoas insatisfeitas com os gastos públicos em estádios para a competição cercou a Arena Nacional Mané Garrincha. Após uma tentativa de ultrapassar a barreira policial, o grupo foi impedido com bombas e balas de borracha. Ao todo, 29 pessoas foram detidas.

No dia seguinte, um grupo de aproximadamente 3 mil pessoas protestou no entorno do Estádio do Maracanã, palco da partida entre Itália e México. Também houve confronto com a polícia e profissionais da imprensa e torcedores que chegavam para a partida sofreram com a utilização de bombas de gás lacrimogêneo por parte da polícia.

Futebol vira figurante e Salvador vive "dia de guerra"

No terceiro dia de competição, pelo menos 50 policiais militares foram acionados para fazer um bloqueio na região do Estádio do Mineirão, antes da partida entre Nigéria e Taiti. Cerca de 300 manifestantes, entre professores, policiais civis e estudantes tentavam chegar ao estádio, mas foram impedidos pelo bloqueio.

Já na segunda partida do Brasil, em Fortaleza, contra o México, houve mais um confronto entre manifestantes e policiais. Quando um grupo tentou ultrapassar a barreira ao redor do estádio, foi reprimido com balas de borracha e bombas. Um jornalista relatou ter sido agredido por policiais no local, apesar de estar credenciado para o evento.

Ontem, um grupo de manifestante protestou pacificamente em Belo Horizonte contra a realização dos eventos da Fifa. Já em Salvador, o que começou com um ato pacífico terminou em violência antes do confronto entre Nigéria e Uruguai. Quinze ônibus foram incendiados e pessoas ficaram feridas.

Após o incidente, o governador da Bahia, Jaques Wagner, afirmou que irá analisar as imagens e deverá reforçar o policiamento para o confronto entre Brasil e Itália, amanhã, na Arena Fonte Nova.

 

Com informações The Associated Press

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade