1 evento ao vivo

Fifa usa Copa das Confederações para reforçar combate ao racismo

25 jun 2013
13h19
atualizado às 15h49
  • separator
  • 0
  • comentários

A Fifa vai aproveitar as semifinais da Copa das Confederações em Belo Horizonte e Fortaleza para divulgar sua campanha contra o racismo. O ex-jogador ganês, nascido na Alemanha e membro da Fifa, Anthony Baffoe disse que ainda há muito o que ser feito no mundo do futebol para que o racismo deixe de ser um problema. "Mas as coisas estão mudando. Por exemplo, na Alemanha, que surpreendeu a muita gente depois da Copa de 2006", disse.

<p>Baffoe não acredita que a torcida brasileira seja racista</p>
Baffoe não acredita que a torcida brasileira seja racista
Foto: Bruno Santos / Terra

Confira todos os vídeos da Copa das Confederações

Filho de diplomata, Baffoe foi o primeiro jogador nascido no exterior que jogou pela equipe de Gana. "Tive proposta para jogar pela seleção alemã, mas não tinha em quem me espelhar e não aceitei" contou, dizendo que hoje a seleção alemã mais parece uma “Nações Unidas”, com jogadores brasileiros, poloneses, ganeses e turcos.

Outra preocupação de Baffoe é com os recentes casos de racismo na Rússia, que será sede da Copa do Mundo de 2018. "A Rússia nunca teve esse tipo de problemas antes, mas tenho 100% de certeza que vai fazer uma grande campanha para passar uma mensagem bem diferente disso" afirmou o ex-jogador do Fortuna e do Colônia. Vários jogadores estrangeiros já passaram por problemas na Rússia, como o brasileiro Roberto Carlos e o camaronês Samuel Etoo. "Eles têm que aproveitar a Copa do Mundo para melhorar isso" advertiu.

&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;a data-cke-saved-href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://esportes.terra.com.br/infograficos/mulheres-copa-confederacoes/iframe2.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot; href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://esportes.terra.com.br/infograficos/mulheres-copa-confederacoes/iframe2.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;veja o infogr&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;aacute;fico&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;/a&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;

Para Anthony Baffoe, o problema não passa apenas “pela reação dos jogadores discriminados, mas pela participação dos jogadores de elite na campanha" disse, citando o recente caso envolvendo o jogador ganês Boateng, do Milan, que saiu de campo após insultos racistas de uma torcida de um time italiano da quarta divisão, o Pro-Pátria, durante um amistoso em janeiro deste ano. Boateng saiu de campo e foi seguido por seus companheiros.

Anthony Baffoe lembra que também já foi alvo de racismo por parte de um companheiro. "Minha reação na hora foi a de dar um tapa no sujeito. O clube chamou a minha atenção, mas (eu) disse que não me arrependia da atitude", afirmou. O ex-jogador, porém, disse que, apesar de a reação, não acha que a violência resolva nada. "Mas temos que começar e campanha contra o racismo com as crianças", afirmou, lembrando outro caso em que se envolveu na França quando jogava pelo Metz e um jogador do Lyon estava sendo insultado pela própria torcida e ele, Baffoe, deu um forte chute na bola, parando a partida.

Sobre a brincadeira feita pelo técnico italiano César Prandelli, de que só deixaria Balotelli sair em Salvador por causa da cor da pele, Baffoe disse conhecer o técnico italiano e tem certeza de que foi uma brincadeira. "Sei que se o Pirlo saísse em Salvador seria tratado como ídolo", afirmou, dizendo que a capital baiana é a cidade mais negra do País, sem querer acreditar que no Brasil existam casos de racismo.

Quando foi questionado sobre a homofobia no futebol e informado sobre um projeto de lei que propões a cura gay, o ex-jogador parece ter ficado bastante chocado. "Uau! Isso é algo político, mas se ele (deputado que criou o projeto) acha que vai curar os gays, vai ter muito trabalho" ironizou. Ele disse que nunca conviveu com nenhum jogador homossexual, mas não acha difícil que existam muitos casos encobertos. "Venho de uma criação muito liberal na Alemanha e acho que as pessoas precisam ser mais tolerantes" afirmou.

A Fifa não tem dados concretos sobre casos de racismo punidos com suspensão ou multas, mas a entidade diz que luta constantemente contra casos em jogos oficiais gerenciados por ela. "Hoje a Fifa tem um código de ética que deve ser cumprido para que não seja apenas algo só no papel" disse, lembrando que desde que chegou ao Brasil foi muito bem tratado por onde passou: Recife, Salvador e Fortaleza. "Quando chego aqui no Maracanã me perguntam se sou Botafogo, ou Vasco. Digo que sou torcedor de Edson Arantes do Nascimento" brincou. Desde 2002, a Fifa promove um dia de luta contra o racismo no futebol.

 

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade