0

País vira canteiro de obras para a Copa do Mundo

25 mai 2009
16h55
atualizado às 17h39

Tatiana Ferraz

Direto de Johannesburgo


Uma das preocupações para a Copa do Mundo é o meio de transporte entre os estádios e os principais centros da região de Pretória e Johannesburgo. Um dos projetos mais audaciosos é a construção de um trem - o Gautrain (junção do nome da província onde ficam as duas cidades - Gauteng - e trem, em inglês). As obras estão por toda a cidade, mas não ficarão prontas para a Copa das Confederações e apenas o trecho que liga Johannesburgo a Pretória deve ficar pronto para a Copa do Mundo.

Assim, carro será o principal meio de transporte na Copa das Confederações. As distâncias em Johannesburgo são longas - a estrutura da cidade, com largas freeways, se assemelha um pouco a Los Angeles, onde é necessário rodar bastante para ir de um ponto a outro. E não há muito o que fazer ao redor dos dois estádios principais da Copa das Confederações. De interessante nos arredores, apenas os estádios mesmo.

Futebol, rúgbi e críquete

Às vésperas do grande teste da África do Sul para a Copa do Mundo, as cidades de Pretória e Johannesburg já dão sinais de que um importante evento mundial de futebol vai acontecer na região. Nas proximidades do estádio de Pretória, uma grande placa saúda as seleções do Brasil, Itália e Estados Unidos, que vão jogar a fase inicial ali. As latinhas de Coca Cola também estão estampadas com as oito seleções que participam da Copa.

O futebol é o esporte preferido dos negros, que são 90% da população do país. Mas que compete com vários outros esportes como rúgbi e até críquete. Agora em maio o críquete tomava os noticiários porque um dos campeonatos mais importantes da Índia, o IPL (Indian Premier League), foi transferido, por motivos de segurança, para a África do Sul. E os times deste torneio pertencem a estrelas de Bollywood, então o país foi tomado por indianos estelares.

Assim, a loucura por futebol na África do Sul está bem longe do se vê no Brasil. Seus campeonatos nacionais contam com poucos times e os sul-africanos são muito mais encantados pelos jogadores brasileiros do que por suas próprias estrelas.

Fonte: Especial para Terra
publicidade