0
Logo do Copa do Brasil
Foto: terra

Copa do Brasil

Copa do Brasil

Palmeiras bate Santos nos pênaltis e é campeão

Fernando Dantas / Gazeta Press
3 dez 2015
00h24
atualizado às 10h55
  • separator
  • comentários

De forma dramática, o Palmeiras comemorou seu primeiro título no Allianz Parque  na noite desta quarta-feira. Depois de vencer o Santos por 2 a 1 no tempo normal, o time da casa ganhou por 4 a 3 nos pênaltis, resultado que garantiu o tricampeonato da Copa do Brasil.

Foto: Daniel Vorley / Gazeta Press
Palmeiras festeja gol de Dudu no Allianz Parque
Palmeiras festeja gol de Dudu no Allianz Parque
Foto: Sebastião Moreira / EFE

O atacante Dudu, vilão do vice paulista diante do próprio Santos, marcou os dois do Palmeiras. Nos minutos finais, Ricardo Oliveira fez o gol que provocou os pênaltis. Nas cobranças, além de defender o chute de Gustavo Henrique, Fernando Prass anotou o gol do título.

Fechado para reformas durante quatro anos, o antigo Palestra Itália foi reinaugurado em novembro do ano passado e diante do Santos recebeu 39.660 torcedores, um recorde da nova arena. Palco da conquista da Copa Libertadores 1999, o estádio não abrigava uma festa de título desde a conquista do Campeonato Paulista 2008.

Com o triunfo sobre o Santos, a Sociedade Esportiva Palmeiras comemora seu 12º título nacional, um recorde. Além do tri da Copa do Brasil (1998, 2012 e 2015), o clube ganhou a Taça Brasil (1960 e 1967), o Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1967 e 1969), o Campeonato Brasileiro (1972, 1973, 1993 e 1994) e a Copa dos Campeões (2000).

Zé Roberto levanta a taça de campeão
Zé Roberto levanta a taça de campeão
Foto: Djalma Vassão / Gazeta Press

O título é especial para o técnico Marcelo Oliveira, derrotado nas três decisões anteriores que disputou da Copa do Brasil (em 2011 e 2012 pelo Coritiba e em 2014 pelo Cruzeiro). Com o feito, ele se junta a Vanderlei Luxemburgo, Luiz Felipe Scolari e Flávio Murtosa, únicos treinadores campeões pelo Palmeiras desde 1977.

Se não teve regularidade suficiente para brilhar no Campeonato Brasileiro, o Palmeiras jogou o suficiente para bater adversários como Cruzeiro, Internacional e Fluminense nas séries eliminatórias da Copa do Brasil. Assim, além do título, o primeiro da gestão de Paulo Nobre, iniciada em 2013, garantiu uma vaga na Copa Libertadores 2016.

Dudu marcou os dois gols do Palmeiras na decisão
Dudu marcou os dois gols do Palmeiras na decisão
Foto: Luis Moura / Gazeta Press

O Jogo – Trajado com meias e calções brancos, como na final do Campeonato Paulista 1993, o Palmeiras quase saiu na frente antes do primeiro minuto de jogo. Na saída de bola, Arouca tocou, Barrios desviou e Gabriel Jesus, livre, bateu para defesa do goleiro Vanderlei.

Inteligentemente, o Santos procurou explorar a fragilidade do jovem João Pedro na marcação. Aos sete minutos, Zeca desceu pela esquerda e cruzou para Marquinhos Gabriel finalizar. Após grande defesa de Fernando Prass, Victor Ferraz apanhou o rebote e acertou a trave.

Zé Roberto teve de trocar o calção durante o primeiro tempo
Zé Roberto teve de trocar o calção durante o primeiro tempo
Foto: Friedemann Vogel / Getty Images

O Palmeiras, como há muito não se via, ditou o ritmo do jogo e criou boas chances de marcar. Em uma oportunidade clara, aos 27 minutos, Robinho cruzou da direita para Lucas Barrios. O centroavante esperou o quique da bola e cabeceou para defesa de Vanderlei.

Gradualmente, o Santos aumentou o volume de jogo e equilibrou as ações, mas não conseguiu levar perigo até o final do primeiro tempo. Lesionado, o zagueiro David Braz foi substituído por Werley ainda na etapa inicial. Assim como Gabriel Jesus, trocado por Rafael Marques.

Não abrir o placar no primeiro tempo preocupou a torcida alviverde, mas o Palmeiras manteve a frieza e finalmente abriu o placar aos 11 minutos do segundo tempo. Lucas Barrios fez pivô e tocou para o Robinho. O meia cruzou e Dudu apenas empurrou para o gol. De tipoia, Gabriel Jesus deixou o banco para comemorar na beira do gramado.

Lesionado, Lucas Barrios saiu para entrada de Cristaldo. Em seguida, o técnico Marcelo Oliveira colocou Lucas Taylor no lugar de João Pedro, advertido com o amarelo. Dorival Júnior, por sua vez, tirou Thiago Maia e Gabriel e lançou Paulo Ricardo e Geuvânio.

Ricardo Oliveira fez o gol que levou a partida para os pênaltis
Ricardo Oliveira fez o gol que levou a partida para os pênaltis
Foto: Reginaldo Castro / Gazeta Press

O Palmeiras fez o segundo aos 39 minutos do segundo tempo. Em cobrança de falta pelo lado direito do ataque, Robinho levantou na área. De cabeça, Vitor Hugo desviou para o meio da área. Dudu acompanhou a jogada e completou para o fundo das redes.

A alegria alviverde durou pouco, já que o Santos fez sua torcida vibrar no setor visitante dois minutos depois. No lance que provou a decisão por pênaltis, Marquinhos Gabriel cobrou escanteio pelo lado esquerdo do ataque, Werley desviou de calcanhar e a bola sobrou livre para finalização certeira de Ricardo Oliveira.

Pelo Santos, Geuvânio, Lucas Lima e Ricardo Oliveira marcaram. Marquinhos Gabriel e Gustavo Henrique desperdiçaram. Pelos donos da casa, Zé Roberto, Jackson, Cristaldo e Fernando Prass marcaram. Rafael Marques perdeu. E o Palmeiras ganhou por 4 a 3.

Palmeiras (4) 2 x 1 (3) Santos
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data: 2 de dezembro de 2015, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-SC)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos Fifa-SP)
Público: 39.660 expectadores
Renda: R$ 5.336.631,25
Cartões amarelos: Matheus Sales, João Pedro e Dudu (Palmeiras); Gabriel (Santos)

Gols:
Palmeiras: Dudu, aos 11 e aos 39 do segundo tempo
Santos: Ricardo Oliveira, aos 41 minutos do segundo tempo

Palmeiras: Fernando Prass; João Pedro (Lucas Taylor), Jackson, Vitor Hugo e Zé Roberto; Matheus Sales e Arouca; Robinho, Dudu e Gabriel Jesus (Rafael Marques); Barrios (Cristaldo). Técnico: Marcelo Oliveira

Santos: Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz (Werley) e Zeca; Renato, Thiago Maia (Paulo Ricardo) e Lucas Lima; Marquinhos Gabriel, Gabriel (Geuvânio) e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior

 

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade