0

Danilo pede desculpas por "cagada" e diz que não é bandido

16 abr 2010
18h55
atualizado às 19h13

Emanuel Colombari
Direto de São Paulo

O zagueiro Danilo compareceu à Academia de Futebol do Palmeiras nesta sexta-feira e deu suas explicações sobre a injúria de conteúdo racista proferida a Manoel, durante o confronto com o Atlético-PR na quinta. Arrependido, o camisa 23 da equipe alviverde pediu desculpas pelo xingamento e admitiu ter cometido um erro.

"Eles têm uma jogada em que vão para cima do nosso goleiro. Em um lance, o Manoel vai em cima e o Marcos reclama com o juiz", contou Danilo, que também disse ter sido ofendido. "Então ele me xingou, xingou minha mãe. Quem está no futebol sabe como é. Em um ato impensado, o Manoel me deu a cabeçada e eu perdi a razão. Foi quando fiz essa cagada", acrescentou.

Danilo não participou do treino do Palmeiras nesta sexta-feira. Na parte da tarde, o zagueiro compareceu espontaneamente à 23ª DP, no bairro de Perdizes, para prestar depoimento sobre o caso e seguiu ao CT alviverde para conceder entrevista. As explicações do jogador à imprensa estavam previstas para terem início às 17h, mas sofreram atraso de exatos 55 minutos.

Antes de redarguir às interrogações dos jornalistas às 17h55, Danilo sentou-se à mesa, pegou o microfone e fez um pequeno pronunciamento. "Não vou fugir de nenhuma pergunta, estou de cara limpa para responder a todas. Antes de tudo, quero pedir desculpas ao Manoel, atleta como eu", explicou o zagueiro, que, além das ofensas a Manoel, chegou a dar uma cusparada no jogador do Atlético-PR.

"Estou publicamente arrependido e não esperava essa repercussão, principalmente da cusparada. Não gostaria que fizessem isso comigo. Isso não se faz com ninguém. Peço desculpas a ele e a todas as pessoas que conheço", acrescentou o palmeirense.

O camisa 23 também se apressou em defender sua imagem e justificou por que não quis dar entrevistas na saída de campo do Palestra Itália. "Ontem (quinta) não quis falar por opção, mas não sou bandido. Não posso sair com 20 seguranças. Sou pai de família, não sou marginal", declarou.

Danilo pode ser enquadrado nas Justiças comum e desportiva. Na primeira categoria, o atleta pode ser enquadrado por injúria de teor racista e ficar sujeito a uma pena de um a três anos de detenção. Na segunda, a pena deve variar de seis a 20 partidas de suspensão.

Fonte: Terra
publicidade