0
Logo do Copa do Brasil
Foto: terra

Copa do Brasil

Ex-santista destaca pressão de jogar no Barradão e péssimo gramado

4 ago 2010
16h01
Diego Garcia

O ex-meia Robert, que passou pelo Santos no meio da década de 90 e duas vezes no começo dos anos 2000, destacou a pressão que é atuar no Barradão e destacou o péssimo estado do gramado. O time alvinegro enfrenta o Vitória nesse estádio nesta quarta-feira, às 21h50, pelo segundo jogo da decisão da Copa do Brasil, e pode até perder por dois gols de diferença - desde que balance as redes pelo menos uma vez.

"É muita pressão jogar lá, ainda mais agora que as chuvas castigaram o Nordeste brasileiro. Isso deve atrapalhar muito, porque o gramado está bem ruim e para quem precisa vencer é pior. Isso deve favorecer o Santos, que não tem que correr atrás do resultado. Só que também é ruim para o Santos, pois é um time mais técnico, de toque de bola e isso vai atrapalhar bastante, esse gramado ruim. Vai trazer muitas dificuldades", afirmou o ex-jogador, em entrevista exclusiva ao Terra .

Robert esteve em campo no primeiro confronto do Santos contra o Vitória no Barradão, no dia 29 de outubro de 1995. Na ocasião, a equipe paulista foi goleada por 4 a 0, com dois gols de Paulinho Kobayashi, um de Cleison e outro de Adoílson. "Ah, faz tempo já né? Não me lembro desse jogo eu acho...", disse o ex-atleta.

"Mas lembro de um outro jogo lá que eu fiz um gol de falta, estava comemorando minha partida de número 200 pelo Santos. Lembro que ganhamos esse jogo, acho que foi em 2001", destacou Robert, que cometeu um pequeno equívoco. A suposta "vitória" do time alvinegro foi, na verdade, um empate por 1 a 1 ocorrido no dia 5 de agosto daquele ano. "Ah, eles empataram? Po, deixamos eles empatarem, caramba viu...", brincou o ex-meia com a reportagem.

Sobre o duelo desta quarta, Robert destacou a vantagem do Santos e apontou o gramado ruim como grande obstáculo do clube da casa na decisão. "Acho que o Vitória vai sentir muita dificuldade, pois precisa armar as jogadas e é muito difícil. A bola fica parada na lama, dificulta para jogar, para dominar e fazer jogadas. A vantagem é do Santos, mesmo o Vitória atuando em casa, especialmente pelas péssimas condições do gramado", declarou.

"A lama no campo vai fazer com que seja ruim para o Vitória atacar, vai ter que apelar para os chutes de longe e os cruzamentos na área. Isso é bom para o Santos, que pode jogar no contra-ataque", acrescentou o ex-meia, que ainda lembrou da vantagem adquirida pelo time da Vila Belmiro no jogo de ida. "A vantagem é muito grande. O Santos tem um time novo, com jogadores carimbados para suportar a pressão e jogar no contra-ataque, buscando um gol. É um time que dita o jogo", completou.

Quanto a um palpite sobre o eventual vencedor desta quarta, Robert não pensou duas vezes para apontar o clube paulista como virtual campeão. "Aposto no Santos, mas não consigo dar um resultado preciso. Mas acho que ainda consegue fazer um gol lá", disse o ex-jogador, que aproveitou para frear uma eventual euforia antecipada. "Acho difícil o Vitória virar o placar, mas não tem nada garantido. O Santos tem uma vantagem enorme, mas nada é impossível no futebol", finalizou o ex-atleta.

O Santos venceu por 2 a 0 na Vila Belmiro e enfrenta o Vitória no Barradão com larga vantagem
O Santos venceu por 2 a 0 na Vila Belmiro e enfrenta o Vitória no Barradão com larga vantagem
Foto: Sergio Barzaghi / Gazeta Press
Especial para Terra

compartilhe

publicidade
publicidade