0
Logo do Copa do Brasil
Foto: terra

Copa do Brasil

"Vidente", ídolo santista prevê empate e diz que final já está ganha

4 ago 2010
17h27
atualizado às 17h28
Diego Garcia

O Santos venceu o Vitória por 2 a 0 no primeiro jogo da decisão e levou uma larga vantagem para a partida de volta, que será nesta quarta-feira, às 21h50, no Barradão. Na ocasião do confronto de ida, o ídolo santista Pepe conversou com a reportagem do Terra horas antes do embate e apostou em um resultado. "Acredito em uma vitória do Santos por 2 a 0", disse o ex-jogador, que acertou em cheio.

Por isso, o Terra buscou novamente o ex-atacante para saber seu palpite sobre o duelo desta noite. "Vai ser 1 a 1", afirmou o "vidente" Pepe, aos risos. "Um empate já está bom. Se tomar um gol, o Vitória não tem condição de fazer quatro gols no Santos", disse o ídolo, que acrescentou: "do meu modo de ver, já está ganho".

Sobre as eventuais dificuldades que a equipe alvinegra deve encarar no Barradão, o ex-jogador foi enfático. "Vi que o campo não está em boas condições, está chovendo muito por lá também e tem muita lama. Acho que isso vai atrapalhar o Santos, pois o gramado ruim favorece sempre a equipe menos técnica", destacou.

Curiosidade:

Pepe foi o técnico do Santos no primeiro confronto do clube contra o Vitória na história. Contra o time de Salvador, o ex-jogador comandou o clube paulista em duas derrotas e uma vitória, em duelos ocorridos no começo dos anos 70. A primeira partida ocorreu no dia 17 de setembro de 1971, na Fonte Nova, e terminou com triunfo do time baiano por 1 a 0.

"A Fonte Nova era um campo difícil de se jogar. Era ruim, e isso era bom para o time que mandava seus jogos lá, pois as equipes tinham um toque de bola de qualidade e muita técnica, e tinham isso quebrado pelo mal estado do gramado", justificou Pepe, que também foi derrotado no estádio em 1973 pelo mesmo Vitória, dessa vez por 2 a 0.

"Mesmo naquela época, perder para o Vitória em Salvador era um resultado considerado normal, o Vitória sempre foi tradicionalmente forte quando jogou em sua casa e diante de sua torcida", afirmou o ídolo da história santista, que fez uma confissão em seguida: "não lembro desses jogos...já faz muito tempo".

Quem é ele:

Pepe é o segundo maior artilheiro da história do Santos - atrás apenas de Pelé - e atuou por 15 anos com a camisa alvinegra. No clube, conquistou duas Copas Intercontinentais (1962 e 63), duas Libertadores (1962 e 63), uma Recopa Sul-Americana (1858), uma Recopa Mundial (1968), cinco Taças Brasil (1961, 62, 63, 64 e 65), um Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1968), quatro Torneios Rio-São Paulo (1959, 63, 64 e 66) e 11 Campeonatos Paulistas (1955, 56, 58, 60, 61, 62, 64, 65, 67, 68 e 69).

O ex-jogador também fez história na Seleção Brasileira, onde foi bicampeão do mundo (1958 e 1962) e venceu duas Copas Rocca (1957 e 63). Posteriormente, se destacou como técnico, vencendo o Campeonato Brasileiro de 1986 com o São Paulo, o Paulista com o Santos (1973) e com a Inter de Limeira (1986), além de um Cearense com o Fortaleza (1985) e duas Série B - com a mesma Inter de Limeira (1988) e com o Atlético-PR (1995). Também venceu o Campeonato Japonês com o Verdy, em 1993.

Pepe (à direita), com Edu e Robinho; ídolo acredita no título do Santos na Copa do Brasil
Pepe (à direita), com Edu e Robinho; ídolo acredita no título do Santos na Copa do Brasil
Foto: CBF / Divulgação
Especial para Terra

compartilhe

publicidade
publicidade