Boletim
Receba todas as novidades por email

 Fale conosco
Envie suas sugestões ao canal

 
Careca Brasil  
Nome Antônio de Oliveira Filho
Nacionalidade: Brasileiro
Data de nascimento: 5/10/1960
Local de nascimento: Araraquara, Brasil
Posição: Atacante
Mundiais disputados: 1986 e 1990
Colocações: 1986 - Quartas-de-final
1990 - Oitavas-de-final
Partidas disputadas: 9
Minutos jogados: 803
Gols: :7
 

A Seleção Brasileira de 1982 era uma constelação de craques. Mas no grupo que tinha talentos como Zico, Falcão, Sócrates e Júnior, um jogador fez muita falta: o centroavante Careca, que se lesionou às vésperas do Mundial. Para muitos, caso Careca estivesse lá, a sorte do Brasil teria sido outra.

Se não estava presente na Copa da Espanha, Careca foi o principal atacante e goleador brasileiro nas duas edições seguintes da competição entre nações.

Em 1986, no México, compondo dupla com Müller ou Casagrande, o atacante são-paulino marcou cinco gols em cinco jogos.

Já na Itália, em 1990, novamente jogando com Müller, Careca fez mais dois gols nos quatro jogos dos quais participou, apesar de ser prejudicado pelo esquema defensivo armado pelo técnico Sebastião Lazzaroni.

Em 1994, o atacante chegou a participar das Eliminatórias para o Mundial, mas pediu dispensa ao treinador Carlos Alberto Parreira e não participou da campanha do tetracampeonato.

Filho do ex-jogador Oliveira, ponta-esquerda da Ponte Preta, Careca despontou para o futebol no Guarani. Nos seis anos em que defendeu o time campineiro, marcou 80 gols.

Em 1983 foi para o São Paulo e conquistou três títulos - campeão paulista (1985 e 1987) e brasileiro (1986).

Em 1987 foi comprado pelo Napoli para formar uma dupla infernal com ninguém menos que Diego Armando Maradona.

Depois de ajudar a equipe do sul da Itália a conquistar seu primeiro Campeonato Italiano, em 1987, o atleta virou ídolo no país.

Com o Napoli, que ainda contava com Alemão no meio-campo, ganhou também o título nacional em 1989 e a Recopa em 1990.

Vencedor no Brasil e na Europa, em 1993 Careca resolveu aceitar proposta para jogar na equipe japonesa do Kashiwa Reysol, onde fez gols de todos os jeitos por quatro anos.

Retornando ao futebol brasileiro em 1997, jogou ainda no seu time do coração, o Santos, na equipe de sua propriedade, o Campinas, e encerrou a carreira no São José, do Rio Grande do Sul.

Redação Terra

 
 
Clubes nos quais atuou
1976
a 1982
Guarani
(Brasil)
1983
a 1986
São Paulo
(Brasil)
1987
a 1992
Napoli
(Itália)
1993
a 1996
K. Reysol
(Japão)
1997 Santos
(Brasil)
1998 Campinas
(Brasil)
1999 São José-RS
(Brasil)