Boletim
Receba todas as novidades por email

 Fale conosco
Envie suas sugestões ao canal

 
Seleções
Segunda, 15 de maio de 2006, 12h27  Atualizada às 13h51
Parte médica foi decisiva, admite Parreira
 
Últimas de Brasil
» A investidores, Lula diz que Seleção daria prejuízo
» Juan: 'Roberto Carlos não errou no gol de Henry'
» Ronaldo pode ter licença de motorista cassada
» Cirurgia afasta Ronaldo por um mês dos campos
» Todas as notícias de Brasil
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O técnico Carlos Alberto Parreira admitiu que o departamento médico da Seleção Brasileira teve participação decisiva na confecção da lista de jogadores que vão à Alemanha.

Opine: comente sobre a convocação da Seleção
Veja fotos dos 23 jogadores da Seleção
Confira o perfil de todos os convocados
Cris, Ceni e Gilberto são surpresas na lista de Parreira
Confira tudo sobre Copa

"A comissão técnica se reuniu na sexta-feira passada, e todos os aspectos foram analisados. Como temos pouco tempo de preparação, a parte médica acabou pesando bastante na nossa decisão", declarou o treinador.

Marcos e Roque Júnior, que ficaram afastados durante boa parte da temporada, não foram convocados. O goleiro do Palmeiras perdeu a briga com o são-paulino Rogério Ceni, enquanto o zagueiro do Bayer Leverkusen deu lugar a Cris na lista final.

Parreira demonstrou preocupação com aqueles jogadores que voltaram recentemente de contusão. Lembrou, por exemplo, que os laterais titulares terão de trabalhar bastante durante o período de preparação para reunir boas condições contra a Croácia, no dia 13 de junho.

"Como a Copa é muito curta, acho que o trabalho mais importante nessas três semanas é recuperar esses jogadores. Pela experiência, o Cafu e o Roberto Carlos vão aumentar seu desempenho, mas é claro que faremos mudanças se for necessário."

O treinador afirmou que a preparação para o Mundial terá um ritmo diferente, uma vez que apenas dois jogadores atuam no futebol brasileiro. O restante joga na Europa, onde uma desgastante temporada está chegando ao fim agora.

"Até algum tempo atrás, não tínhamos esse problema, mas agora somos diretamente afetados pelo calendário europeu. Faremos testes com os jogadores, e isso irá determinar o ritmo de trabalho. Tomara que cheguemos ao nível ideal na Copa do Mundo", concluiu Parreira.
 

Redação Terra