Boletim
Receba todas as novidades por email

 Fale conosco
Envie suas sugestões ao canal

 
Seleções
Terça, 13 de junho de 2006, 17h52 
Kaká mágico dá vitória ao Brasil na estréia
 
Allen Chahad
Antonio Prada
Sérgio Loredo
Wanderley Nogueira
 
EFE
Reservas da Seleção Brasileira comemoram o gol marcado por Kaká
Reservas da Seleção Brasileira comemoram o gol marcado por Kaká
Últimas de Brasil
» A investidores, Lula diz que Seleção daria prejuízo
» Juan: 'Roberto Carlos não errou no gol de Henry'
» Ronaldo pode ter licença de motorista cassada
» Cirurgia afasta Ronaldo por um mês dos campos
» Todas as notícias de Brasil
» Todas as notícias de Croácia
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O Brasil encontrou um adversário difícil em sua estréia na Copa do Mundo e precisou do talento do meia Kaká para levar a melhor por 1 a 0, em Berlim, nesta terça-feira. Mais uma vez, o quarteto mágico não funcionou, e o jogador do Milan teve de entrar em ação para furar a eficiente zaga da Croácia e marcar o belo gol da vitória verde e amarela. Com o resultado, o Brasil chegou a oito vitórias consecutivas em Copas - com as sete da campanha do penta em 2002 -, novo recorde.

Confira fotos do jogo
Veja fotos da torcida
Confira a tabela do Grupo F
Opine: o que você achou da partida?

Com o resultado, a equipe comandada por Carlos Alberto Parreira igualou a pontuação da Austrália, mas ficou em segundo lugar no Grupo F, pois tem saldo de gols inferior à seleção da Oceania. A exemplo do Japão, a Croácia ainda não pontuou no Mundial.

O Brasil começou bem a partida, trabalhando a bola no meio-campo e chegando com perigo ao ataque. A partir da metade do primeiro tempo, o ritmo caiu, e a Seleção só voltou a atacar com objetividade aos 43min, quando Kaká recebeu na meia e marcou um belo gol de perna esquerda.

Sem o meia Niko Kovac, que havia deixado o gramado contundido antes do intervalo, Zlatko Kranjcar mandou seu time à frente e passou a criar problemas para a defesa brasileira. Enquanto Dida trabalhava bastante, o ataque pouco produzia, e o apagado Ronaldo foi substituído por Robinho.

Com a entrada do camisa 23, a equipe subiu de produção e voltou a incomodar os croatas. O time europeu insistiu em busca do empate, mas o momento de maior destaque até o apito final foi a invasão de um torcedor croata com a cara pintada.

As duas equipes voltam a campo, pela segunda rodada, no próximo domingo. Às 10h (de Brasília), a Croácia mede forças com o Japão, do técnico Zico, em Nuremberg. Já a Seleção Brasileira joga em Munique, às 13h (de Brasília), contra a Austrália.

O jogo

O Brasil começou a partida de maneira agressiva, apostando nas chegadas rápidas ao ataque. Logo a 1min, Adriano aproveitou erro dos croatas na saída de bola e tocou para Kaká, que levantou na área e viu a zaga cortar.

Dois minutos depois, Ronaldinho fez linda jogada na meia esquerda e passou por três marcadores. Zé Roberto recebeu a bola e tentou rolar para Adriano, mas Robert Kovac conseguiu se recuperar e afastar.

A primeira jogada trabalhada que rendeu uma boa finalização aconteceu aos 8min, quando Ronaldinho puxou contra-ataque pela esquerda e tocou para Adriano. Na meia-lua, o atacante deixou para Kaká, que bateu forte e mandou por cima.

O Brasil seguiu no ataque e voltou a assustar Pletikosa. Aos 14min, Roberto Carlos arriscou de longe e obrigou o goleiro a colocar para escanteio. Na cobrança, Ronaldinho recebeu no bico da área e bateu cruzado. Com a ponta dos dedos, o camisa um croata impediu que o placar fosse aberto.

A partir daí, a equipe de Parreira diminuiu o ritmo e passou a dar algum espaço para a Croácia, antes marcada desde a saída de bola. Assim, o time europeu resolveu chegar à frente e tentou alguns arremates de fora da área, como o de Kranjcar, aos 22min.

Ainda no primeiro tempo, a Croácia perdeu seu capitão e organizador das jogadas, Niko Kovac. Ele levou a pior em trombada com Adriano, sentiu dores na costela e acabou sendo substituído por Jerko Leko, aos 42min.

Nem bem Kovac havia chegado ao vestiário, o Brasil abriu o marcador. Em saída rápida para o ataque, aos 43min, Cafu acionou Kaká a três passos da meia-lua. O camisa oito fintou a marcação e bateu de perna esquerda, com categoria, no canto direito alto de Pletikosa.

Atrás no marcador, a Croácia voltou do intervalo disposta a empatar. Aos 5min, o atacante Dado Prso foi lançado, protegeu de Juan e Lúcio antes de bater rasteiro e obrigar Dida a fazer boa defesa. Aos 8min, foi a vez de Klasnic arriscar da meia-lua e testar o goleiro brasileiro.

Apagado desde o apito inicial, Ronaldo participou efetivamente do jogo pela primeira vez aos 11min, quando arriscou com perigo de fora da área. Cinco minutos depois, Ronaldinho recebeu cruzamento de Cafu e cabeceou no canto esquerdo para grande intervenção de Pletikosa.

Neste momento, Ivica Olic já ocupava o lugar de Klasnic no ataque, a Croácia era perigosa, e Dida trabalhava muito mais que Pletikosa. O goleiro brasileiro foi testado em chute de dentro da área de Babic, defendido por ele em dois tempos.

Parreira, então, resolveu mexer no Brasil, trocando Ronaldo por Robinho, aos 24min. Em uma de suas primeiras jogadas, o ex-santista pedalou na meia direita e bateu cruzado. Adriano apareceu para completar, mas colocou à esquerda.

Embora tenha insistido em busca do empate, a Croácia não demonstrou criatividade suficiente para chegar às redes. O lance de maior perigo foi uma cabeçada de Kranjcar, filho do técnico, por cima do gol de Dida.

Ficha técnica
Brasil 1 x 0 Croácia
 
Equipes
Dida
Cafu
Lúcio
Juan
Roberto Carlos
Emerson
Zé Roberto
Kaká
Ronaldinho
Adriano
Ronaldo
(Robinho)

Técnico:
Carlos Alberto Parreira
Sipe Pletikosa
Dario Simic
Robert Kovac
Josip Simunic
Darijo Srna
Igor Tudor
Niko Kovac
(Jerko Leko)
Niko Kranjcar
Marko Babic
Ivan Klasnic
(Ivica Olic)
Dado Prso

Técnico:
Zlatko Kranjcar
 
Gols
43min - 1º tempo
Kaká
 
Cartões amarelos
Emerson Niko Kovac
Robert Kovac
Igor Tudor
 
Local: Estádio Olímpico, em Berlim
Árbitro: Benito Archundia (MEX)
Público: 72.000 espectadores

 

Redação Terra